Raciocínios: Louis Pasteur

Louis Pasteur

Microbiólogo e químico, suas descobertas tiveram enorme importância na história da química e da medicina. É lembrado pelas suas notáveis descobertas das causas e prevenções de doenças. Entre seus feitos mais notáveis pode-se citar a redução da mortalidade e a criação da primeira vacina contra a raiva (antirrábica). As suas experiencias deram fundamento para a teoria microbiológica da doença.

chart

Foi mais conhecido do público em geral por inventar um método para impedir que leite e vinho causem doenças, um processo que veio a ser chamado pasteurização. Ele é considerado um dos três principais fundadores da microbiologia. Pasteur também fez muitas descobertas no campo da química, principalmente a base molecular para a assimetria de certos cristais.

Este é o seu raciocínio:

Quanto mais eu estudo a natureza mais fico impressionado com a obra do Criador. Nas menores de suas criaturas Deus colocou propriedades extraordinárias(…) Proclamo Jesus como filho de Deus em nome da ciência. Meu espírito científico, que dá grande valor à relação entre causa e efeito, compromete-me a reconhecer que, se ele não o fosse, eu não mais saberia quem ele é. Mas ele é o filho de Deus. Suas palavras são divinas, sua vida é divina, e foi dito com razão que existem equações morais assim como existem equações matemáticas. [1]

Maurice Vallery-Radot, neto do irmão do genro de Pasteur, assegura que Pasteur fundamentalmente permaneceu católico. O genro de Pasteur, provavelmente na mais completa biografia de Louis Pasteur, escreveu o seguinte:

Uma fé absoluta em Deus e na eternidade, e a convicção de que o poder para o bem dado a nós neste mundo será continuado para além dele, foram sentimentos que permearam toda a sua vida; as virtudes do Evangelho estiveram sempre presentes nele. Com o máximo de respeito para com a forma de religião que tinha sido a dos seus antepassados, ele recorreu simplesmente á religião naturalmente para ajuda espiritual nestas últimas semanas da sua vida. [2]

 

Fonte:

[1] Traduzido de J. Gutzwiller – Das Herz, etwas zu wagen, Friedrich Bahn Verlag: Neukirchen-Vluyn, 2000. ISBN 3761593031. freewebs.com/kienitz/declara.htm#ref21

[2] Vallery-Radot, Maurice (1994). Pasteur (Paris: Perrin). pp. 377–407.

Avalie este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *