Um teste para o fundamentalismo Darwinista

O fundamentalismo presente em alguns dogmas, religiões e no meio secular, é um conceito um tanto quanto perigoso se levado ao extremo, pois o fundamentalista acredita em seus dogmas como verdade absoluta, indiscutível, sem abrir-se, portanto, à premissa do diálogo. [thefreedictionary.com: “Fundamentalism”]chartO mais interessante é que na maioria das vezes, as pessoas associam o fundamentalismo à prática religiosa, mas não é somente nesta prática que o fundamentalismo está presente. O “Fundamentalismo Darwinista” por exemplo, vem nesta mesma linha, ao ponto de seus “praticantes” não abrirem a premissa do diálogo sobre outras opiniões ou dados contrários, mesmo que estas opiniões ou dados estejam corretos.

Ou seja, neste ponto o Darwinismo (ou a crença na Teoria Evolutiva das Espécies, conceito disseminado por Charles Darwin) se torna uma religião ou dogma com fundamentalismo intolerante do qual lhe é característico. Psicólogos clínicos e psiquiatras estão chegando a considerar o fundamentalismo, seja religioso ou secular, tão prejudicial à sociedade e como uma forma de perturbação mental.

Na verdade, “a desordem da personalidade fundamentalista” está crescendo na discussão para inclusão da próxima edição Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM VI) [Manual de Diagnóstico e Estatística de Doenças Mentais].

“Ao mesmo tempo, o Fundamentalismo Darwinista é imensamente influente na cultura dos Estados Unidos e continua sem ser desafiado nas salas de aulas americanas de Biologia, onde se tornou ortodoxia nos livros didáticos.” [p.d 17/03/14]

Diante dessa situação, a The Best Schools (thebestschools.org) encomendou um teste chamado de IDF – Índice de Fundamentalismo Darwiniano, o qual foi desenvolvido por uma equipe transdisciplinar com especialização em testes psicológicos, psicologia social, filosofia e biologia. Pois, a forma dominante de fundamentalismo em biologia é darwinista, e o IDF focaliza o fundamentalismo darwinista.

A ideia é fazer um teste sobre a lealdade do “avaliado” a Darwin e as suas ideias. O teste indica se o “avaliado” se torna não reflexivo, dogmático, e imune a evidência oponente, sendo considerado fundamentalista, na posição extrema de lealdade a Darwin.

O IDF possui 40 pares de afirmações. Para cada par, o “avaliado” seleciona a afirmação com a qual concorda mais. A The Best Schools ressalta que o uso do inventário realizado pelo teste e suas conclusões é utilizado estritamente para fins educacionais, por isso, não deve ser tomado como uma prova de ortodoxia biológica e não deve ser utilizado como aconselhamento psicológico.

O teste encontra-se disponível neste link (em inglês).

 

Imagem fonte: Reprodução Google

Um teste para o fundamentalismo Darwinista
1 votos até agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *