Anatomia cerebral de pessoas religiosas reduz o risco de desenvolver a depressão, sugere estudo científico

Espiritualidade teria conexão com maior espessura do córtex cerebral, característica notada em pessoas com menor risco de depressão! (anatomia cerebral)

Os cientistas já utilizam certos aspectos da anatomia do cérebro como indicadores de risco para saber se uma pessoa pode desenvolver a depressão. Um deles é a espessura do córtex (membrana que reveste este órgão), ele é mais fino em indivíduos com mais chances de ter a doença.chart

Observação: O córtex cerebral corresponde à camada mais externa do cérebro dos vertebrados, sendo rico em neurônios e o local do processamento neuronal mais sofisticado e distinto. O córtex humano tem 2-4mm de espessura, com uma área de 0,22m² (se fosse disposto num plano) e desempenha um papel central em funções complexas do cérebro como na memória, atenção, consciência, linguagem, percepção e pensamento.[fonte]

Agora, um novo estudo dá pistas sobre o que pode influenciar nessa característica do córtex: a religiosidade.

De acordo com os resultados obtidos, pessoas que nutrem a fé (religiosidade) tendem a ter um córtex cerebral mais espesso e, consequentemente, um risco menor de depressão do que as outras pessoas.

Tendo essa evidência, os autores do estudo (Lisa Miller – PhD; Ravi Bansal – PhD; Priya Wickramaratne – PhD; Xuejun Hao – PhD; Craig E. Tenke – PhD; Myrna M. Weissman – PhD; Bradley S. Peterson – MD ) buscaram entender de que forma a religiosidade pode ter relação com a depressão.

Foram selecionadas 103 pessoas de 18 a 54 anos, sendo que parte delas tinha predisposição genética para a depressão. Por cinco anos os cientistas analisaram a importância da religião e a frequência com que elas visitavam templos e igrejas, além de submeter os voluntários a exames de ressonância magnética para verificar a anatomia cerebral.

No final do estudo, os pesquisadores observaram que os participantes que davam mais importância a questões espirituais, não importando com que frequência iam a igrejas ou templos, possuíam um córtex mais espesso em algumas áreas do cérebro. Essa associação entre religiosidade e a espessura do córtex aconteceu em todos os participantes, mas foi mais forte entre aqueles que tinham histórico de depressão na família. [ênfase acrescentada]

O estudo foi realizado pela Universidade Columbia, Estados Unidos, e publicada no periódico médico JAMA Psychiatry.

Nota: no final do artigo “País mais ateu do mundo teve aumento de 1.000% no uso de antidepressivos“, deixamos uma pergunta no ar, pois achamos que esse aumento da depressão constatado em alguns países não religiosos, poderia ter alguma relação. Agora, esse estudo científico relacionando a religiosidade com a redução do risco da depressão, pode ser uma luz sobre o caso.

Deixamos claro que os estudos dos dois artigos não estão relacionados, até porque foram realizados em continentes diferentes sob perspectivas diferentes. Porém, seria bem interessante se os cientistas pudessem cruzar os dados e fazer um estudo ainda mais aprofundado.

No final das contas, vemos que a fé é sim importante para uma boa saúde mental do ser humano.

 

Fonte:

JAMA Psychiatry – Neuroanatomical Correlates of Religiosity and Spirituality; A Study in Adults at High and Low Familial Risk for Depression

Imagem fonte: La Gnosis de Hoy

Anatomia cerebral de pessoas religiosas reduz o risco de desenvolver a depressão, sugere estudo científico
1 votos até agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *