Evidências de que a evolução é falsa

Refutação ao artigo “8 descobertas científicas que mostram que a teoria de Darwin é correta” publicado no site Hypescience

Antes de começar, porém, é importante esclarecer alguns pontos a fim de que não sejam generalizadas as afirmações feitas no texto e que sejam entendidas dentro do contexto adequado. Nós, TDÍstas, entendemos e aceitamos que a teoria da evolução trouxe grandes contribuições à história da ciência. Já está bem estabelecido o papel da seleção natural, das variações de baixo nível (conhecidas como o processo de microevolução observado nos experimentos de Lenski), especiação e ancestralidade comum com limitações. Porém, nos posicionamos contra a ideia de macroevolução (grandes mudanças ao longo de milhões de anos), que não pode ser testada e a ancestralidade comum no contexto neodarwinista, questões ainda em debate.

DNA (Ácido Desoxirribonucleico)

provas-da-teoria-da-evolucao-1

 

1ª Afirmação da Hypescience:

“Uma das coisas mais notáveis sobre A Origem das Espécies de Charles Darwin é que ele articulou sua teoria sem saber o mecanismo exato pelo qual a variação genética ocorria.”

Sim, Darwin nada sabia sobre DNA ou leis de hereditariedade, por isso a “redescoberta” das leis de Mendel, por Hugo de Vries e colaboradores, no início do século 20,[1] levou a três décadas de intensas disputas sobre a veracidade da teoria de Darwin,[2] visto que o que Darwin postulou foi contrariado pelos fatos. Com muito esforço, os evolucionistas deram origem à síntese moderna da evolução, que tentou unir o evolucionismo com as leis de Mendel.

Apesar de mais de meio século de especulação, o DNA sempre se demonstrou incompatível com teorias naturalistas – que defendem que tudo é fruto de causas naturais, incluindo a vida -, ao ponto de levar um de seus descobridores, Francis Crick, a publicar um estudo[3] apoiando a hipótese da panspermia dirigida, que defende que a vida foi implantada na Terra por seres inteligentes extraterrestres, embora essa mesma hipótese já tivesse sido apresentada em 1966 por Shklovskii e Carl Sagan.[4]

A impossibilidade de negar que o DNA seja fruto de criação inteligente se encontra no fato de que sua estrutura é complexa, elegante e delicada demais para ter surgido por acaso no meio de qualquer “sopa primordial”, onde seria degradada por inúmeras reações químicas diferentes, o que ocorre mesmo dentro de uma célula.[5, 6] Além disso, o DNA é um verdadeiro disco rígido: um grama de DNA pode armazenar até 455 exabytes de informação, humilhando qualquer tecnologia humana atual.[7]

2ª Afirmação da Hypescience:

“Como o DNA é universal a toda vida, sua presença sugere fortemente que todas as criaturas da Terra evoluíram de um ancestral comum.”

Dizer que a presença de DNA em todos os organismos prova uma ancestralidade comum é o mesmo que dizer que todos os livros evoluíram de um “livro primordial”, só porque todos usam as mesmas letras do alfabeto. Assim como as linguagens humanas possuem palavras, regras e estruturas distintas, o DNA também possui muitas diferenças entre espécies. Cada táxon (grupo de animais ou plantas que possuam semelhanças entre si) possui suas peculiaridades, incluindo a ordem das bases nitrogenadas (as “letras” do DNA) dos genes, as diferenças na maneira como eles são expressos, suas funções, etc.

Podemos exemplificar da seguinte maneira: embora os olhos de cefalópodes (certos moluscos, tais como polvos e lulas) e vertebrados (seres com coluna vertebral, incluindo humanos) possuam um formato similar (tipo câmera), somente poucos genes são compartilhados por ambos os grupos. Dos 5.707 genes específicos do olho de moluscos, apenas 1.571 são encontrados em vertebrados (menos de um terço do total).[8]

3ª Afirmação da Hypescience:

“Ele também explica como a proliferação de mutações genéticas (essencialmente erros de cópia), combinada com os processos de seleção natural, permitem a evolução.”

A autora parece desconhecer os efeitos devastadores das mutações em quase sua totalidade. O acervo médico contabiliza a existência de quase sete mil doenças genéticas causadas por mutações em humanos,[9] embora outro estudo indique um número próximo a dez mil.[10] A estimativa é que até um milhão de bases sejam danificadas em humanos diariamente.[11]

Ademais, em humanos, as estimativas atuais são de que ocorram entre 100-200 novas mutações por indivíduo a cada geração.[12-14] Destas, os dados variam entre 1-15% de mutações deletérias que causariam a perda direta de informação genética em humanos a cada geração.[12, 14-17] Em relação ao fitness, em 1997, um estudo estimou entre 1-2% a taxa de perda da aptidão humana, ou seja, a frequência com que a humanidade está se degenerando a cada geração.[18] Em 2010, por sua vez, outro estudo estimou que a aptidão humana está em declínio em 3-5% por geração.[14]

Se mutações fossem benéficas, não haveria inúmeros mecanismos moleculares que sondam constantemente e procuram reparar todas as mutações que afetam o DNA.[19] Portanto, o organismo inteligentemente procura reparar esses erros, e quando não consegue, apela para a morte programada da célula mutante, a fim de evitar que ela se multiplique, dando então origem a um câncer (de fato, mutações no gene p53 [um dos componentes fundamentais no combate aos tumores malignos] são responsáveis por cerca de metade dos casos de certas variedades de câncer).[20]

É válido esclarecer que o DNA não age sozinho. Para ser replicado e funcionar, ele precisa, durante a sua síntese, de centenas de proteínas, que por sua vez precisam do próprio DNA e, especificamente, dos RNAs (mRNA, rRNA e tRNA) que, nessa cadeia de produção interdependente, também precisam de DNA e proteínas, levando a um verdadeiro dilema (ao estilo de “quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha?”), tanto para teorias sobre a origem da vida quanto para a evolução,[21] cuja única solução para essa interdependência funcional é conceber que foram formados ao mesmo tempo.

 

Referências:

[1] Moore R. “The ‘Rediscovery’ of Mendel’s Work.” Bioscene 2004; 27(2):13-24. Disponível em: http://papa.indstate.edu/amcbt/volume_27/v27-2p13-24.pdf

[2] Dickins D. “Mendelian Genetics Rediscovered.” Wiley StatsRef: Statistics Reference Online, 2014. Disponível em:http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/9781118445112.stat06663/abstract

[3] Crick FHC, Orgel LE. “Directed panspermia.” Icarus 1973; 19(3):341-346.

[4] Shklovskii IS, Sagan C. Intelligent life in the universe. San Francisco, CA: Holden-Day, 1966.

[5] Andrew SE, Peters AC. “DNA Instability and Human Disease.” Am J Pharmacogenomics. 2001; 1(1):21-8.

[6] Mills KD, Ferguson DO, Alt FW. “The role of DNA breaks in genomic instability and tumorigenesis.” Immunol Rev. 2003; 194:77-95.

[7] Church GM, Gao Y, Kosuri S. “Next-Generation Digital Information Storage in DNA.”Science. 2012; 337(6102):1628.

[8] Yoshida MA, Ogura A. “Genetic mechanisms involved in the evolution of the cephalopod camera eye revealed by transcriptomic and developmental studies.” BMC Evol Biol. 2011; 11:180.

[9] Pinnapureddy AR, Stayner C, McEwan J, Baddeley O, Forman J, Eccles MR. “Large animal models of rare genetic disorders: sheep as phenotypically relevant models of human genetic disease.” Orphanet J Rare Dis. 2015; 10:107.

[10] MacDonald IM, Haney PM, Musarella MA. “Summary of ocular genetic disorders and inherited systemic conditions with eye findings.” Ophthalmic Genet. 1998; 19(1):1-17.

[11] Lodish HF, Berk A, Matsudaira PT, Kaiser C, Krieger M, Scott M, Zipursky S, Darnell J.Molecular Cell Biology. 5th ed. New York, NY: W.H. Freeman and Company, 2004.

[12] Nachman MW, Crowell SL. “Estimate of the Mutation Rate per Nucleotide in Humans.”Genetics. 2000; 156(1):297-304.

[13] Dolgin E. “Human mutation rate revealed.” Nature News (27 ago. 2009). Disponível em:http://www.nature.com/news/2009/090827/full/news.2009.864.html

[14] Lynch M. “Rate, molecular spectrum, and consequences of human mutation.” Proc Natl Acad Sci USA. 2010; 107(3):961-8.

[15] Eyre-Walker A, Keightley PD. “High genomic deleterious mutation rates in hominids.”Nature. 1999; 397(6717):344-7.

[16] Shabalina SA, Ogurtsov AY, Kondrashov VA, Kondrashov AS. “Selective constraint in intergenic regions of human and mouse genomes.” Trends Genet. 2001; 17(7):373-6.

[17] Keightley PD. “Rates and Fitness Consequences of New Mutations in Humans.”Genetics. 2012; 190(2):295-304.

[18] Crow JF. “The high spontaneous mutation rate: is it a health risk?” Proc Natl Acad Sci USA. 1997; 94(16):8380-6.

[19] Mathews LA, Cabarcas SM, Hurt EM. DNA Repair of Cancer Stem Cells. [ebook] Springer, 2013.

[20] Olivier M, Hollstein M, Hainaut P. “TP53 Mutations in Human Cancers: Origins, Consequences, and Clinical Use.” Cold Spring Harb Perspect Biol. 2010; 2(1):a001008.

[21] Wolf YI, Koonin EV. “On the origin of the translation system and the genetic code in the RNA world by means of natural selection, exaptation, and subfunctionalization.” Biol Direct. 2007; 2:14.

Imagem fonte: Hypescience

Continua…

Evidências de que a evolução é falsa
3 votos até agora

Everton Fernando Alves

Mestre em Ciências da Saúde, autor de dezenas de publicações científicas nesta área, membro da Sociedade Brasileira do Design Inteligente (SBDI) e autor de um livro sobre a Teoria do Design Inteligente. Também é diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira. Para saber mais sobre Everton, acesse a página Equipe no rodapé do site.

3 comentários em “Evidências de que a evolução é falsa

  • 21 de setembro de 2016 em 2:34 PM
    Permalink

    A evolução é um fato.

    Resposta
    • 21 de setembro de 2016 em 5:20 PM
      Permalink

      Concordo e existem evidências sólidas sobre isto!
      Contudo, esses “saltos milagrosos” forçadamente explicitados ( tal como o homem originar do macaco) e em espaço curto de tempo, aí sim, não passa de bizarrice infantil, não querendo dar o braço a torcer para algo que já é afirmado na Bíblia há algum tempinho!
      A Bíblia ensina, dá a dica, quase desenha!
      Os estudiosos leram a mesma, em algum momento. Aprenderam e começaram suas experimentações. Concluíram com exatidão o que a Palavra de Deus já afirmava. Puderam ver até com mais detalhes estas afirmações. Mas o egocentrismo mesquinho e imbecil fala mais alto a ponto de negar e não dar crédito a Bíblia. Isso sim é totalmente bizarro! O bom é que tenho visto que são uma minoria ignorante dos cientistas que odeiam a Bíblia e se negam a concordar que, pelo menos ela pode ser considerada um “livro de receitas científicas”! Hahaha!

      Resposta
    • 30 de outubro de 2016 em 5:03 AM
      Permalink

      Teoria não é fato nenhum. A evolução não passa de uma “religião” para ateus.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *