50 milhões de crianças estão refugiadas no mundo por conta da violência, aponta relatório do UNICEF

O relatório apresenta a situação de 50 milhões de crianças e adolescentes que migraram internacionalmente ou foram forçados a deixar suas casas por conta da violência

Em todo o mundo, quase 50 milhões de crianças e adolescentes vivem fora de seu país de origem ou foram obrigados a fugir de suas casas por conta da violência. Desse total, 28 milhões tiveram que deixar suas cidades por causa de conflitos ou outras situações de violência e buscar um lugar mais seguro, seja em seu país de origem ou em terras estrangeiras.chartFrequentemente traumatizados por conta da violência, essas crianças e esses adolescentes têm de enfrentar outros perigos ao longo do caminho, incluindo o de afogamento nas travessias marítimas, desnutrição e desidratação. Além disso, correm o risco de ser vítimas de tráfico, sequestro, violência sexual e até assassinato. Nos países em que passam e naqueles em que fixam residência, eles, frequentemente, são vítimas de xenofobia e discriminação.

O relatório divulgado no último dia 7 deste mês pelo UNICEF, Uprooted: The growing crisis for refugee and migrant children (Desenraizadas: Uma crise crescente para as crianças refugiadas e migrantes), apresenta novos dados que descrevem um panorama preocupante sobre a vida e a situação de milhões de crianças, adolescentes e famílias afetados por conflitos violentos e outras crises, que os obrigam a arriscar sua vida fugindo em vez de permanecer em suas cidades natais.

“As imagens chocantes de algumas crianças, tais como a do pequeno Aylan Kurdi, que apareceu em uma praia depois de se afogar no mar, ou a do rosto atônito e ensanguentado de Omran Daqneesh (foto), sentado em uma ambulância depois de sua casa ser destruída, têm chocado o mundo”(…)

“Mas cada imagem, cada menina ou menino, representa muitos milhões mais que estão em perigo – e isso requer que a nossa comoção com esses casos específicos seja traduzida em ação para todas as crianças”; disse o diretor executivo do UNICEF, Anthony Lake.

O relatório Uprooted mostra que:

  • As crianças e os adolescentes representam uma porcentagem desproporcional e crescente de todas as pessoas que procuraram refúgio fora dos seus locais de nascimento: apesar de representarem cerca de um terço da população mundial, eles são aproximadamente metade de todos os refugiados. Em 2015, cerca de 45% de todas as crianças e adolescentes refugiados sob proteção do ACNUR vieram da Síria e do Afeganistão.
  • 28 milhões de crianças e adolescentes foram expulsos de suas casas pela violência e pelo conflito dentro de seus países e através das fronteiras, incluindo 10 milhões de crianças e adolescentes refugiados; um milhão que solicitaram asilo, mas cujo status de refugiado ainda não foi determinado; e estimados 17 milhões de meninos e meninas deslocados dentro de seus próprios países – todos com uma necessidade extrema de ajuda humanitária e acesso a serviços essenciais.
  • Mais e mais crianças e adolescentes estão cruzando as fronteiras sozinhos. Em 2015, mais de 100 mil crianças e adolescentes não acompanhados pediram asilo em 78 países, o triplo de 2014. As crianças e os adolescentes desacompanhados estão mais expostos à exploração e ao abuso por contrabandistas e traficantes.
  • Em todo o mundo, cerca de 20 milhões de crianças e adolescentes migrantes deixaram suas casas por várias razões, incluindo a extrema pobreza ou a violência nas ruas. Muitos correm um risco real de abuso ou detenção porque não têm documentos, porque o seu status legal é incerto e, portanto, não há acompanhamento ou monitoramento sistemático de seu bem-estar. São as crianças e os adolescentes esquecidos pelo sistema.

Ainda de acordo com o relatório do UNICEF, a Turquia acolhe o maior número total de refugiados recentes, e muito provavelmente o maior número de crianças refugiadas no mundo. Em relação à sua população, o Líbano acolhe o maior número de refugiados por uma margem esmagadora: cerca de uma em cada cinco pessoas no Líbano é refugiada. Em comparação, há cerca de um refugiado para cada 530 pessoas no Reino Unido; e um para cada 1.200 nos Estados Unidos. Ao considerar os países que acolhem refugiados por nível de renda, no entanto, a República Democrática do Congo, a Etiópia e o Paquistão recebem a maior concentração de refugiados.

O relatório argumenta que, onde há rotas seguras e legais, a migração pode proporcionar oportunidades tanto para as crianças e os adolescentes que migram quanto para as comunidades a que eles se juntam. Uma análise do impacto da migração nos países de renda alta descobriu que os migrantes contribuíram mais com impostos e contribuições sociais do que receberam, que ocuparam vagas no mercado de trabalho tanto em postos altos quanto baixos, e contribuíram para o crescimento econômico e a inovação nos países de acolhimento.

No entanto, uma questão fundamental é que as crianças e os adolescentes que foram forçados a deixar suas casas têm acesso limitado a serviços como educação – um importante fator para muitas crianças, adolescentes e famílias que optam por migrar. Uma criança refugiada tem cinco vezes mais probabilidade de não frequentar a escola que uma criança não refugiada. Quando podem ir à escola, crianças e adolescentes migrantes e refugiados são frequentemente vítimas de discriminação, incluindo tratamento injusto e bullying.

Fora da sala de aula, obstáculos legais impedem meninas e meninos refugiados e migrantes de receber serviços iguais aos das crianças e adolescentes nativos de um país. No pior dos casos, a xenofobia pode se transformar em ataques diretos. Só na Alemanha, as autoridades registraram 850 ataques contra abrigos de refugiados em 2015.

“Qual é o preço que todos nós pagaremos se não formos capazes de fornecer a essa população jovem oportunidades de receber educação e desfrutar de uma infância normal? Como esses meninos e meninas serão capazes de contribuir positivamente para suas sociedades? Se nada for feito, não só o seu futuro será arruinado, mas toda a sociedade será diminuída também”, disse Lake.

O relatório identifica seis ações específicas para proteger e ajudar as crianças e os adolescentes deslocados, refugiados e migrantes:

  • Proteger crianças e adolescentes refugiados e migrantes, especialmente meninas e meninos desacompanhados, da exploração e da violência.
  • Acabar com a detenção de crianças e adolescentes que buscam o status de refugiados ou migrantes, por meio da adoção de medidas alternativas.
  • Manter as famílias unidas como a melhor forma de proteger as crianças e os adolescentes e garantir a eles status legal.
  • Garantir o acesso à educação a todas as crianças e adolescentes refugiados e migrantes e dar-lhes acesso a serviços de saúde e outros serviços de qualidade.
  • Insistir na necessidade de abordar as causas subjacentes dos movimentos em grande escala de refugiados e migrantes.
  • Promover medidas para combater a xenofobia, a discriminação e a marginalização.

 

Relatório completo (em inglês) e material multimídia disponível neste link.

Fonte: UNICEF

Avalie este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *