Ideologia de Gênero na prática: Agora saia é uniforme de menino no Colégio Pedro II

O que você acharia de ver seu filho usando saia como uniforme da escola? Ou então se os colegas da sua filha estivessem usando saia dentro da sala de aula?

Parece absurdo, mas é exatamente isso que o Colégio Pedro II (Rio de Janeiro) acaba de incluir saia como uniforme também para meninos no regulamento da escola.chartTudo começou quando um aluno que se sente menina trocava a calça do uniforme por saia durante o recreio. A direção da escola chamou o aluno e informou que as normas da instituição não permitiam que meninos usassem o uniforme feminino, porém alguns de seus colegas consideraram essa atitude da direção agressiva e discriminatória.

figura1Os  alunos organizaram um “saiaço” em solidariedade para pedir que a direção mudasse as normas do colégio, ou seja, exigiram que a instituição se dobrasse aos caprichos dos alunos.

E o pior de tudo: conseguiram! Uma breve retrospectiva irá nos ajudar a compreender melhor como a situação chegou a este ponto e também seus desdobramentos.

Em Março de 2015, na mesma instituição, a aula inaugural trouxe o tema: Diversidade Sexual e de Gênero na escola. Mesmo com todos os esforços que a população fez para que se retirasse a pauta de gênero dos planos de educação, a escola abordou o assunto.

Nesta aula a ideologia de gênero foi exposta para incutir na cabeça dos alunos que a biologia não importa e sim o que a pessoa sente. (sendo que: Estudo científico conclui que não há evidência científica de que uma pessoa nasça homossexual ou transgênero)

O palestrante fez críticas a heterossexualidade como padrão de sociedade e ainda ressaltou que precisamos romper com este padrão que foi eleito de forma arbitrária.

Por meio dos processos de normalização, uma identidade específica é arbitrariamente eleita e naturalizada e passa a funcionar como parâmetro na avaliação dos demais, disse Rogério Diniz Junqueira

O palestrante apenas esqueceu de mencionar que foi o padrão heterossexual que fundamentou todas as civilizações que existiram, também não mencionou que a civilização ocidental foi construída sobre o pilar da moral cristã e que derrubar esse pilar certamente acarretará consequências desastrosas!

Ainda segundo Rogério:

Acreditar que não se deve falar de sexualidade com os jovens, sob o risco de que estes iniciem de forma prematura e irresponsável a vida sexual, e que a homossexualidade é um tema a ser evitado para não influenciar a orientação dos alunos e alunas são exemplos claros de preconceitos por parte dos educadores que pensam dessa forma.

Esse trecho mostra claramente a violação do direito dos pais de darem a educação moral aos seus filhos e ainda deixa claro o total desconhecimento do fato que os seres humanos podem ser (e são) sim induzidos a certos tipos de comportamentos.

Há inúmeros estudos que comprovam que a manipulação mental é uma técnica muito eficaz para incutir ideias nas pessoas, não é nenhum preconceito afirmar isso. Funciona da seguinte forma: se eu pedir que o leitor não pense em um macaco verde, a imagem que virá a sua mente será exatamente a do macaco verde, da mesma forma se eu der uma aula falando sobre sexo os alunos, obviamente, irão pensar em sexo. Mas esse é um assunto bem amplo que pretendo abordar em um próximo artigo, agora voltemos ao caso do Colégio Pedro II.

Após essa doutrinação escancarada e realizada com o dinheiro dos impostos, os professores puseram mãos à obra e iniciaram seus “trabalhos” em sala de aula dentro deste tema que foi retirado dos planos de educação. Não demorou muito começou a aparecer o resultado, em Setembro do ano passado os documentos da escola passaram a não mais usar a vogal temática o” e “a, eles trazem agora a letra x, os alunos e alunas agora são alunxs.

Parece loucura mas é realmente assim que a instituição trata os alunos, com uma palavra impronunciável. A ideia teria surgido “casualmente” nas aulas de sociologia, qualquer semelhança com o conteúdo da aula inaugural é mera coincidência.

figura2

Hoje foi a vez do uniforme, o colégio fez a mudança baseado em um conjunto de discussões entre professores e alunos, ou seja, sem a opinião dos pais e responsáveis. Os adolescentes estão sendo ensinados que as regras não devem ser seguidas, e o pior, que elas podem ser mudadas mesmo à revelia dos pais.

As escolas de hoje estão formando uma massa de rebeldes e insubordinados e depois dizem não saber porque a educação em nosso país está cada vez mais decaindo em qualidade. Infelizmente isso não é exclusividade do Brasil, é um movimento mundial.

E agora qual será o próximo passo?

figura3Voltemos a aula inaugural de 2015, segundo o palestrante as normas de gênero opressivas estão em toda parte no ambiente escolar, inclusive nas placas dos banheiros. Sim nos banheiros! Para os ativistas da ideologia de gênero os banheiros não deveriam ser separados para meninos e meninas, e sim unissex.

Agora pense um pouco leitor no que pode acontecer em uma escola onde meninos e meninas frequentam o mesmo banheiro. Fica muito claro que esta é uma ideia perversa para alienar os alunos a tal ponto que eles sejam totalmente manipuláveis e sigam as determinações mais estapafúrdias determinadas pelos governantes mal-intencionados.

Estamos caminhando a passos largos rumo a “igualdade” que a Nova Ordem Mundial deseja. E quem duvida do que falo, pode ler o livro “Maquiavel pedagogo ou o ministério da reforma psicológica” de Pascal Bernardin, que mostra várias evidências de documentos oficiais das grandes organizações mundiais (como a ONU, por exemplo) que tem como objetivo, usar a educação como meio de manipulação psicológica de massas, desde a mais tenra idade até a fase adulta da pessoa. Leia a resenha deste livro [neste link]

 

Referências:

O Globo – Colégio Pedro II extingue distinção de uniforme por gênero

Huffpost Brasil – Alunos do Colégio Pedro II fazem ‘saiaço’ em apoio a estudante transgênero proibida de usar saia na escola do Rio

Colégio Pedro II – Aula inaugural 2015: CPII coloca em foco diversidade sexual e de gênero

O Globo – Professores do Pedro II adotam termo ‘alunxs’ para se referir a estudantes sem definir gênero

Gazeta do Povo – Acesso a banheiros escolares por “identidade de gênero” volta a gerar polêmica

O Globo – Aluno pode usar banheiro de escola segundo sua identidade de gênero, diz Diário Oficial

Sempre Família – Acesso a banheiros escolares por identidade de gênero volta a gerar polêmica

Imagens fonte: Reprodução Google

Avalie este artigo

Paula Marisa

Paula Marisa

Graduada em Educação Física, com licenciatura plena, especialização em supervisão escolar e orientação educacional, também é professora na rede municipal de ensino em Canoas/RS. Para saber mais sobre Paula, acesse a página Equipe no rodapé do site.

20 comentários em “Ideologia de Gênero na prática: Agora saia é uniforme de menino no Colégio Pedro II

  • 21 de setembro de 2016 em 10:36 PM
    Permalink

    Estamos caminhando para o final dos tempos, haja vista que todos os dias surgem notícias que degrinem a família. Não nos resta mais nada a não ser orar a Deus que nos ajude com a criação dos nossos filhos.

    Resposta
    • 27 de setembro de 2016 em 1:28 PM
      Permalink

      Realmente, o mundo começou a acabar desde que mulheres puderam votar, trabalhar, usar calças… melhor revisar seus conceitos Adriana. Cada um pode e deve usar o que quiser e isso nada tem a ver com o fim do mundo rs

      Resposta
      • Paula Marisa
        27 de setembro de 2016 em 3:43 PM
        Permalink

        Você precisa rever seus conceitos! isso tem sim TUDO a ver com o fim do mundo! As pessoas não podem usar o que quiserem quando quiserem. Para que fique mais claro gostaria que você me respondesse se acha adequado uma pessoa ir de biquíni em um velório por exemplo. Será mesmo que podemos usar qualquer roupa em qualquer lugar?

        Resposta
        • 2 de outubro de 2016 em 10:06 PM
          Permalink

          Cara Adriano, a diferença é bem grande. O biquini é uma vestimenta própria para mar/cachoeira, ou quaisquer locais onde a água está sendo utilizada de modo recreativo ou não, de modo que o usuário possa receber luz solar em diversas regiões do corpo, se molhe e possa sentir a água de forma mais livre, intensificando a experiência do banho . Logo, não há função prática alguma em comparecer em um cemitério com esta roupa.
          Já a saia do referido colégio, esta sempre foi parte do uniforme oficial do mesmo, portanto, não há desrespeito algum em sua utilização por todos os alunos.

          Resposta
          • Paula Marisa
            3 de outubro de 2016 em 9:35 AM
            Permalink

            Então você realmente não perecebe a diferença entre roupas masculinas e femininas? É lamentável realmente a incapacidade das pessoas hoje em dia de perceber o quanto inadequdo é usar trajes impróprios…

  • 26 de setembro de 2016 em 3:53 PM
    Permalink

    Se Dom Pedro II Usava saiote por que os alunos do seu colégio não podem usar ????? E os escoceses ??? E os militares gregos????? E a Guarda do Vaticano ????? rs rs rs rs

    Resposta
    • 27 de setembro de 2016 em 1:27 PM
      Permalink

      Pois é, Jorge. A galera cristã acha que o mundo gira só em torno deles. Lamentável. Mas por sorte a diversidade de culturas e pensamentos está aí pra nunca deixar isso acontecer.

      Resposta
      • Paula Marisa
        27 de setembro de 2016 em 3:40 PM
        Permalink

        A “galera cristã” como você diz é a maioria da população e numa democracia séria a vontade da maioria deve sempre ser respeitada. O problema não é o rapaz usar saia, mas sim usar saia na escola. Farei uma analogia para que você possa compreender melhor: no trabalho as pessoas usam uniforme ou roupas apropriadas ao local, não podemos ir usando qualquer roupa porque estamos em um lugar sujeito a regas. A escola não é uma preparação para a vida e o mercado de trabalho? então por que não podemos ensinar os alunos a terem um comportamento de acordo com as regras institucionais? Que tipo de cidadãos estamos formando? Isso não é cristianismo e sim bom senso!

        Resposta
    • Raciocínio Cristão (editor)
      27 de setembro de 2016 em 1:50 PM
      Permalink

      Olá Jorge, tudo bem?
      Não é essa a questão principal querido, o problema é o que está por trás disso, entende? Começa com um simples ato, e depois? Por que os alunos não estão preocupados em ter condições melhores de ensino? de participação na comunidade? Entende? A escola e os professores deveriam ser os primeiros a incentivar essas ações, mas quando não há interesse em melhoria do ensino, outros interesses tomam o lugar. É isso que a ideologia de gênero propagada por alguns grupos por aí quer, simplesmente a entrada da temática da sexualidade aberta entre as crianças e jovens. Começa com um ato simbólico, depois vai ficando cada vez pior.
      Grande abraço, fique com Deus.

      Resposta
  • 27 de setembro de 2016 em 1:25 PM
    Permalink

    Olá, Paula. Não entendo como uma pessoa esclarecida e com a cesso a educação como você possuem essa lamentável opinião.
    Gostaria de saber onde que uma peça de vestuário pode tornar alguém homossexual (como se isso fosse algo ruim).
    Não se esqueça que para que você pudesse hoje escolher entre usar um vestido ou sua calça jeans, muitas mulheres foram discriminadas e apontadas num passado não tão distante assim.
    E isso te tornou lésbica? creio que não.
    Ser cidadão é ter o direito de usar o vestuário que quiser independente de sua opção/condição sexual e ninguém deve ser pressionado a seguir um padrão imposto. Em nenhum momento os alunos desrespeitarem o uniforme escolar. Ninguém pediu o direito de usar mini short ou roupa de banho, apenas o direito de escolher qual dos uniformes usar dentro das regras da própria instituição. Pautar suas opiniões apenas sob o prisma religioso torna a discussão unilateral e totalmente limitada. Veja a diversidade do mundo! sua religião não foi nem nunca será a única do mundo.

    Resposta
    • Paula Marisa
      27 de setembro de 2016 em 4:01 PM
      Permalink

      O caso aqui não é religião e sim bom senso. O aluno pode usar o que ele bem entender em casa, na rua, nas horas de lazer… Porém dentro da escola estamos em um ambiente formal onde existem regras a serem seguidas. A ideologia de gênero foi retirada dos planos de educação por vontade da maioria da população e eu garanto que, caso os pais da escola fossem consultados sobre esse assunto, diriam que não querem seus filhos usando saias na escola. Afinal a democracia é ou não a vontade da maioria sendo respeitada? Neste caso temos um exemplo muito sério de autoritarismo por parte da meia dúzia de pessoas que acha isso bonito querendo impor sua vontade à maioria da população. Quanto a ser homossexual não ser ruim eu também discordo pois o estilo de vida homossexual traz inúmeras consequências desastrosas, passarei alguns dados para que você veja a realidade:
      – Apenas 2% dos homens homossexuais chegam a terceira idade;
      – O abuso físico é pelo menos duas vezes maior entre gays que entre casais heterossexuais;
      – Mais da metade dos portadores de AIDS nos EUA são homossexuais, com idade média entre 20 e 30 anos;
      – Os homossexuais são responsáveis por pelo menos 80% das doenças sexuais sérias nos EUA;
      – Homossexuais são frequentemente acometidos por tumores anais;
      Fonte: A Estratégia – SHELDON, Louis

      Além do mais é comprovado cientificamente que somos sim influenciados pelo meio que nos cerca, os estímulos visuais, o círculo de amizades, etc, ainda mais na adolescência que é um período tão delicado. O feminismo e a ideologia de gênero não passam de movimentos totalmente autoritários que querem impor seus delírios às pessoas. Não estou falando aqui de cristianismo nem de Bíblia mas sim de ciência e bom senso.

      Resposta
    • 29 de novembro de 2016 em 1:34 PM
      Permalink

      Mas “alunx” e “menines”. Fala sério é o 1984 na nossa cara. Partiu novilíngua e duplipensamento.

      Resposta
  • 29 de setembro de 2016 em 6:37 AM
    Permalink

    Geração fraca essa, homens no Brasil não tem por cultura usar roupa feminina. Não se faz mas homens como antes.

    Resposta
  • 29 de setembro de 2016 em 4:03 PM
    Permalink

    Formação em educação física, kkkk, ahhh que merda hein. Estude de verdade !!

    Resposta
    • Paula Marisa
      29 de setembro de 2016 em 10:06 PM
      Permalink

      Quando não se pode usar argumentos que sejam coerentes os adversários partem para a ofensa pessoal, demonstrando assim sua total incapacidade para um bom debate. PS: sou ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO caso não saiba ler direito.

      Resposta
  • 1 de outubro de 2016 em 11:39 AM
    Permalink

    Primeiramente ninguém esta obrigando ninguém a usar saia, mas se a pessoa quiser ela usa e se nao quiser nao usa.

    Resposta
    • Paula Marisa
      3 de outubro de 2016 em 9:38 AM
      Permalink

      Eu ainda continuo achando que os pais que devem orientar os filhos nesse sentido e não acho certo a escola passar por cima desse direito.

      Resposta
  • 8 de outubro de 2016 em 4:57 PM
    Permalink

    Parabéns, pelo vídeo bem esclarecedor em que abordam temas importantes que surgiriam a seguir a tais medidas.
    – Isso tudo trás a discussão a opção sexual com a mudança de comportamento do ser humano, o homem em falar fino com trejeitos femininos, e aqueles que transcendem no travestir rebolado e no comportamento extravagante e chamativo.
    – O que seria uma opção sexual? A “opção” é o ato ou faculdade de optar; livre escolha, penso o desejo em se relacionar sexualmente de dois gêneros, ” que tem apenas uma forma para o gênero masculino e para o gênero feminino’, já o dicionário qualifica o “fazer gênero”, que seria “fingir ser o que não é”. Será que com toda esta abertura que estão fazendo o DICIONÁRIO terá que mudar a codificação da palavra “gêneros” , e excluir “opção”?
    – O mais complexo disso tudo é onde definir o nascer do terceiro sexo? Os quarenta e seis cromossomos do zigoto conferem-lhe uma identidade genética única e irrepetível. Nesta célula única, o zigoto, estão já determinadas características como o sexo, a cor dos olhos e do cabelo, a estatura, até o potencial de inteligência e em certa medida a base da personalidade…
    – Se a “opção” ou o “desejo sexual” é comportamental, a discussão irá bem mais além, teríamos que elencar os demais apetites sexuais dos seres humanos, aqueles normais e aqueles anormais.

    Resposta
  • 20 de novembro de 2016 em 1:26 AM
    Permalink

    Sou a favor por que todos nos temos direitos de fazer o q quizer. Deus deu liberdade para a gente , ele quer que a gente apoia o proximo e que quer que a gente tenha humildade , n importa q o homem use saia ou mulher use calça o q importa é o nosso carater , pois o fim do mundo é a falta de respeito ao proximo ,n a escolha sexual . Por favor vamos viver na paz de Cristo e na liberdade de escolha

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *