Por que as vezes nós oramos e parece que Deus não nos ouve?

Este é um assunto muito sério, mas vamos tratar de forma um pouco diferente, portanto não espere uma explicação teológica sobre este assunto. Vamos usar uma analogia de um filme de comédia romântica que também traz esse tema de forma bem interessante. O filme em questão é “O Todo Poderoso“, lançado em 2003.

Se você não assistiu ou se já assistiu mas não se lembra, leia a Sinopse do filme, para que depois continuemos com nosso raciocínio.

Cada pessoa possui um nível (ou níveis) de problemas na vida e muitas vezes busca ajuda de Deus para resolvê-los. Enquanto você lê este artigo, muitas pessoas estão em um hospital lutando pela vida, muitas nem sequer conseguem pedir a Deus por si mesmas devido a sua condição e contam com as orações de outras pessoas (familiares, amigos, irmãos de igreja, etc). Outras pessoas estão enfrentando fome, sede, miséria, conflitos familiares, guerras, perseguição, etc. Há também aquelas que, por algum motivo, entraram nos vícios e agora não conseguem sair. E existem aquelas pessoas que possuem problemas considerados simples, mas mesmo assim não conseguem resolver por si mesmas e também buscam a Deus neste sentido.

No filme é possível entender que o “problema” de Bruce é do tipo “simples”, mas mesmo assim ele acusou Deus por conta deles e se lamentou (de forma ríspida) de que Deus não ouvia suas preces.

Isso não ocorre só na ficção, muitas vezes nós também fazemos a mesma coisa, pois nos esquecemos que existem pessoas que estão enfrentando problemas muito maiores que os nossos, porém, achamos que Deus tem a obrigação de nos ouvir primeiro.

Existe um momento no filme (mais ou menos após os 50 minutos) em que Bruce, já com os “poderes divinos”, está num restaurante com sua namorada e começa a escutar vozes em sua cabeça, isso quase o enlouquece. Em seguida ele se encontra com “Deus” que explica a ele que essas vozes são as orações que as pessoas fazem. Bruce diz a “Deus” que são “apenas barulhos, ele não as entende“; mas “Deus” diz a ele: “é porque você não está ouvindo, filho!”

Essa é a diferença:

Para nós a oração, a súplica ou o pedido do outro pode parecer um “barulho”, algo que as vezes nos incomoda (mesmo que sentimentalmente) e não damos muita importância, porém Deus sempre ouve todas orações de forma totalmente compreensível e dá a devida importância para cada uma delas.

Após esse encontro com “Deus”, Bruce continua escutando as orações e tem uma “ideia genial”: ele coloca todas as orações em um computador de forma “organizada”. Mas toda vez que ele “fazia download” de novas orações, chegavam mais do que antes. Ele então começa a responder uma por uma até chegar a conclusão de que não teria tempo hábil para responder todas. Bruce tem outra “ideia genial”: responder “sim” para todas as orações. Ótimo! Agora ele teria tempo para resolver suas próprias coisas e se divertir enquanto (na cabeça dele) todos estariam felizes por terem todas suas orações recebidas e atendidas.

Esse é um ponto importante, pois como seres humanos falhos que somos, achamos que nossas “solicitações” a Deus não tem um impacto maior em outras coisas.°

– Será que tudo que pedimos tem realmente importância?

– Será que não interfere na vida de outras pessoas?

– Ou depende do livre-arbítrio de outros?

– Será que Deus não está usando uma determinada situação para nos enviar uma mensagem ou um aprendizado que não estamos conseguindo perceber?

Ainda no filme, algumas das pessoas que receberam o “sim” para suas preces, começaram a relatar suas “bençãos”. Como por exemplo, o executivo que teve suas ações triplicadas em 5 dias; o rapaz que ficou mais alto, o pai orgulhoso da filha que arrasou no beisebol, a senhora que perdeu 20kg comendo rosquinhas, ou mais de 400 mil pessoas que ganharam no mesmo jogo da loteria, etc. Obviamente que o “sim” para tudo começou a desencadear coisas estranhas no mundo e o caos começou a se espalhar. Bruce então se desespera e clama a “Deus” por ajuda, e Deus o leva para uma sala onde eles limpam o chão e conversam. Bruce não compreendendo o “porquê” de todo caos, diz à “Deus” que deu a todos tudo o que queriam. Então “Deus” diz: mas desde quando alguém sabe realmente o que quer?”  e continua:

– “Uma mãe solteira que trabalha em dois empregos e ainda acha tempo para levar o filho para treinar futebol, isso é um milagre.
– “Um adolescente que diz não às drogas e sim à educação, isso é um milagre.
– “As pessoas querem que eu (Deus) faça tudo por elas, mas não se dão conta de que elas tem um poder.
– “Você quer um milagre filho? Seja um milagre!

Então “Deus” começa a se retirar do local e Bruce, ainda não compreendendo bem o que “Deus” dissera a ele, diz: “Pera aí! você vai embora? Mas se eu precisar de você e se eu tiver dúvidas?“… “Deus” então responde:
– “Esse é o seu problema Bruce, o problema de todo mundo: esperar que caia do céu!

Se no mundo real Deus aceitasse todas as orações, também haveria um grande um caos, certamente maior que o do filme, pois assim como o “Deus” do filme (Morgan Freeman) disse: “desde quando alguém sabe realmente o que quer?

Ainda bem nosso Deus verdadeiro é o Todo Poderoso e sabe muito antes de nós o que vamos pedir:

E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes. Mateus 6:7-8

Como dito anteriormente, existem diversos níveis de problemas na vida e na maioria das vezes uma explicação simples como esta que apresentamos neste artigo não ameniza o sofrimento, principalmente daquelas pessoas que tem as maiores provações.

Contudo, devemos fazer um esforço para tentar entender que Deus não raciocina como nós – que não pensamos adiante – e que não vemos as interferências que uma simples ação poderia causar. Ou seja, Deus não está sujeito ao mundo, mas nós sim. Ele vê perspectivas diferentes, vê o princípio e o fim de tudo e todos os impactos que uma simples ação pode causar.

Esquecemos que vivemos no mundo e consequentemente no meio do mal. Aqueles que são de Cristo estão sujeitos a este mal enquanto estiverem neste mundo:

Sabemos que somos de Deus e que o mundo todo está sob o poder do Maligno. 1 João 5:19

Infelizmente nós não queremos aceitar que mesmo sendo discípulos de Jesus, coisas ruins possam acontecer, apesar de nossas orações. Não conseguimos enxergar e aceitar isso. Mas o próprio Jesus afirmou (ao contrário do que muitas igrejas pregam por aí) que coisas ruins poderiam acontecer aos que fossem seus seguidores:

Nação se levantará contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em vários lugares.
Tudo isso será o início das dores. Então eles os entregarão para serem perseguidos e condenados à morte, e vocês serão odiados por todas as nações por minha causa. Naquele tempo muitos ficarão escandalizados, trairão e odiarão uns aos outros… Mateus 24:7-10

Mas Ele também nos dá esperança:

Mas aquele que perseverar até o fim será salvo. Mateus 24:13

Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. João 16:33

O sentimento de que “nada acontece” quando oramos pode ter pelo menos 3 origens:

1) Na nossa maneira errada de pedir:

Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres. Tiago 4:3

2) Podemos estar orando por motivos egoístas ou esquecemos de Jesus:

E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei. João 14:13-14

3) Nossos sentimentos são corrompidos pelo pecado e não devemos confiar completamente no que pensamos ou sentimos:

Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Jeremias 17:9

Por isso tudo, devemos confiar mais em Deus, pois Ele ouve e atende (se for o melhor) nossas orações, conforme está escrito em Mateus 7:7-11. Devemos assegurar nossos corações a Ele, pois o nosso coração é manchado pelo pecado, porém Deus é maior que nossos corações e pode limpar toda imundícia, conforme está escrito em 1 João 3:19-20.

Além disso, mesmo que estivermos desanimados, não podemos nos conformar, conforme está escrito em Romanos 12:2 e também devemos continuar em frente, tendo paciência durante a tribulação e perseverando na oração, conforme Romanos 12:12. Essa perseverança na oração é tão importante que Jesus até contou uma parábola para ilustrá-la, ela está em Lucas 18:1-8.

O filme ao qual fizemos uma analogia, deixa uma mensagem muito interessante no final:

Seja você um milagre!

Isso é fantástico, pois Deus trabalha no campo do impossível. É nosso dever fazer ou pelo menos buscar tudo aquilo que podemos fazer, que seja possível. Certa vez um teólogo disse:

Deus move o céu inteiro naquilo que o ser humano é incapaz de fazer, mas não move uma palha naquilo que a capacidade humana pode resolver.

Confie em Deus para tudo aquilo que é impossível aos seus olhos, e realize o que for possível a você. Nas suas orações, não apenas peça, mas agradeça. Se você estiver sendo milagre na vida de alguém, com certeza esta pessoa estará agradecendo a Deus por você. Isso não tem preço!

 

Imagem fonte: Reprodução Google

Por que as vezes nós oramos e parece que Deus não nos ouve?
4 votos até agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *