Relatório da ADF detalha a terrível perseguição que cristãos sofrem na Síria

Um relatório recente divulgou detalhes horríveis da perseguição perpetrada pelo ISIS contra cristãos na Síria. No relatório foi abordado como 3 cristãos foram mortos depois de se recusarem a se converter ao islã, como um padre também foi decapitado, e como dez cristãos assírios foram abatidos ou decapitados por causa de sua fé. Há mais histórias no relatório:

Enquanto os insurgentes do Estado Islâmico e forças do governo lutam na Síria, a população de cristãos continua a diminuir, de 1.250.000 em 2011 para menos de 500.000 este ano, segundo ADF International, que defende a liberdade religiosa em todo mundo.chartNum sub-Relatório apresentado com o relatório do genocídio contra cristãos no Oriente Médio para o Secretário de Estado John Kerry em março, a instituição ADF Internacional detalha o genocídio em curso de cristãos e outras minorias religiosas no Oriente Médio.

É relatado que:

os cristãos são o grupo religioso mais perseguido do mundo e que, em pelo menos 104 países, os cristãos são perseguidos por governos e organizações.

A perseguição inclui:

agressões físicas, prisões e detenções, profanação de locais sagrados e discriminação contra grupos religiosos sem direito a emprego, habitação ou educação, diz ou Relatório.

A perseguição contra cristãos

foi maior no Oriente Médio e norte da África (90% dos Países), informou ADF International.

Na Síria e no Iraque, a Perseguição dos Cristãos é realizada por  radicais muçulmanos  como membros do Estado islâmico e Jabhat al-Nusra, segundo ADF. Forças Governamentais vêm lutando contra os revolucionários e o Estado Islâmico desde março de 2011, uma batalha em curso desencadeada pela Primavera Árabe. Em 2015, a população da Síria era de aproximadamente 20 milhões, disse ADF International, e 92,8% da População era muçulmana, 5,2% cristã e 2% de outras religiões.

A População de cristãos caiu de 1,25 milhão em 2011, para apenas 500 mil hoje. Estima-se que somente em 2015, mais de 700.000 cristãos na Síria procuraram refúgio em outros países, disse ADF Internacional em seu Relatório.

A perseguição dos cristãos na Síria é extrema, e inclui os seguintes exemplos:

Três cristãos foram executados por se recusarem a se conversor ao islã, um padre católico foi decapitado pelos rebeldes. Pelo menos 15 cristãos assírios foram decapitados ou executados a tiros; três cristãos foram executados e pelo menos 10 pessoas receberam ordem de execução por um auto-proclamado “tribunal religioso” simplesmente por serem cristãs.

 

Em setembro de 2013, 36 líderes religiosos muçulmanos emitiram uma Fatwa permitindo que os muçulmanos sunitas tomassem a propriedade de cristãos ou de outros grupos religiosos não-muçulmanos. Numerosos cristãos e líderes religiosos cristãos foram vítimas de sequestros. O arcebispo ortodoxo grego Boulos Yazigi e o arcebispo ortodoxo sírio Yohanna Ibrahim ainda estão desaparecidos.

 

Em setembro de 2013, a Frente Al Nusra atacou a cidade predominantemente cristã de Maaloula, matando 20 pessoas, raptando 15, e destruindo locais religiosos dos cristãos. Nenhum muçulmano foi atacado.

 

Em outubro e novembro de 2013, mais de 1.500 famílias da aldeia cristã de Sadad foram reféns do Al Nusra. 45 pessoas foram mortas.

 

Em outubro de 2014, o padre franciscano Hanna Jallouf e 20 Cristãos foram sequestrados por Al Nusra. Eles foram finalmente libertados.

 

Em janeiro de 2015, foi relatada a morte do padre católico armênio Michel Kayyal e o padre ortodoxo grego Maher Mahfouz.

 

Em fevereiro de 2015, o ISIS (Estado Islâmico) apreendeu 35 aldeias cristãs assírias, sequestrando mais de 300 Cristãos. Libertaram 23 pessoas em março de 2015, e exigiram £15 milhões para a libertação de 230 pessoas. Os cerca de 1.200 moradores remanescentes fugiram para outras aldeias (Hassake e Qamishli), deixando as 35 aldeias desertas durante meses.. Eles começaram a retornar em junho de 2015, quando combatentes cristãos e curdos reconquistaram essas aldeias.

O número exato das vítimas da guerra civil na Síria (e das vitimas cristãs) é desconhecido. Presume-se que a partir de 24 de novembro de 2014, 197.378 pessoas foram mortas (incluindo 62,347 civis). No entanto, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, pode haver mais de 80.000 mortes não registradas. [ênfase acrescentada]

Muitas pessoas são executadas como resultado de uma pena de morte imposta pelos grupos extremistas em violação das regras do devido processo legal e um julgamento justo. Tais execuções continuam e a pena de morte é usada como um castigo para aqueles que não se convertem ou não se aderem à sharia (lei islâmica).

Ademais, além dos assassinatos, as minorias religiosas estão sujeitas a tortura, tratamento desumano e degradante, violência sexual, violações, desaparecimentos forçados e deslocamentos.

Não foram tomadas medidas adequadas pelo governo sírio para por fim aos abusos e execuções ilegais e respeitar o direito à vida protegido pelo direito internacional. Como resultado, a RAE [República Árabe da Síria] ocupa o quarto lugar na World Watch List, de 2015, que classifica os 50 países onde os cristãos são mais perseguidos.

 

Traduzido e adaptado de: Shoebat.com – Muslims Take Three Christians And Tell Them To Convert To Islam, They Refuse And The Muslims Execute Them, They Take A Christian Pastor And Behead Him, Fifteen More Christians Are Beheaded And Shot For Worshipping Christ

Imagem fonte: Reprodução Google

Avalie este artigo

Andréa Fernandes

Andréa Fernandes

Graduada em Direito, Ciências Contábeis e Relações Internacionais, é Diretora-Presidente da ONG Ecoando a Voz dos Mártires, instituição humanitária que milita denunciando a perseguição religiosa e violações dos direitos humanos no mundo muçulmano junto ao Ministério das Relações Exteriores e demais órgãos públicos, bem como promove eventos objetivando fomentar conscientização humanitária para socorrer as vítimas da intolerância religiosa. É também colunista no Portal Gospel Prime. Para saber mais sobre Andréa, acesse a página Equipe no rodapé do site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *