Jesus e Buda – semelhanças ou diferenças?

Compartilhe

Jesus e Buda são pessoas muitas vezes comparadas, e são feitos paralelos entre a moralidade de ambos. Mas será que eles são tão semelhantes assim? Neste artigo vamos explorar essa questão para vermos se entre essas duas figuras espirituais existem semelhanças ou diferenças.

O propósito e o significado de suas vidas

Em 1960, o teólogo Paul Tillich visitou o Japão e, em conversa com alguns estudiosos budistas, perguntou:

Se algum historiador provasse que um homem chamado Siddhartha Gautama nunca existiu, qual seria a consequência disso para o budismo?

Esses estudiosos budistas responderam que a questão da historicidade de Gautama, mais conhecido como Buda, nunca foi uma questão importante para o budismo:

De acordo com a doutrina do budismo, o darmakaya (manifestação da verdade) é eterno e, portanto, não depende da historicidade de Gautama. [1]

Então, se Gautama realmente viveu como uma pessoa histórica, ou se ele nunca disse e fez o que é registrado sobre ele, então faz-se pouco para desacreditar o budismo.

No entanto, esse “argumento da manifestação da verdade” seria algo antiético para o cristianismo. A historicidade de Jesus é intrínseca à fé cristã; Sem Jesus não há cristianismo. O apóstolo Paulo em uma de suas epístolas enfatizou isso. Em sua carta aos Coríntios ele afirma que se Jesus não foi ressuscitado dos mortos, então a fé cristã é fútil e inútil, e ainda estamos em nossos pecados (1 Coríntios 15: 14-19).

O próprio ponto culminante do cristianismo é a morte expiatória de Jesus na cruz para a salvação da humanidade, o que naturalmente significa que Jesus teve de ser uma figura histórica que realmente morreu numa cruz e ressuscitou. Tire Jesus da equação e então a fé cristã não funciona.

Historicidade

As fontes que temos para o Jesus histórico superam em muito o que se tem para Buda. Podemos esboçar um retrato mais confiável do Jesus histórico com inúmeras fontes para prosseguir, a saber, os Evangelhos biográficos, as epístolas paulinas, as epístolas não paulinas e as epístolas gerais. Isso equivale a mais de 12 autores que escreveram cerca de 27 livros dentro de 60 anos a partir da trajetória de Jesus.

Assim como outros atores que corroboram a historicidade de Jesus e os eventos em sua vida de forma independente, como o historiador judeu Flávio Josefo, Tacito, o sátiro grego Luciano de Samósata, o filósofo sírio Mara Bar-Serapion, o historicista samaritano Talo, o autor grego de Caria Flegão, entre outros.

Além disso, os primeiros escritos do Novo Testamento partem de cerca de 50 ou 51 depois de Cristo (epístolas paulinas), o que deixa uma pequena lacuna de 17 a 21 anos a partir do momento da morte de Jesus para os primeiros escritos. O último livro, Apocalipse, está entre um período não inferior a 60 – 65 anos da morte de Jesus.


Veja também: 

→ Jesus – mito ou fato? Cinco fontes históricas não cristãs sobre este tema

→ 2 testemunhas não bíblicas da escuridão ocorrida durante a crucificação de Jesus

→ O Novo Testamento possui base histórica confiável?


O que existe para Buda?

Para ele existem fontes muito distantes de sua existência, e esta é uma razão pela qual há muita incerteza em torno de sua vida. As primeiras escrituras budistas aparecem no final do primeiro século antes de Cristo, mas Buda teria vivido entre 566-486 antes de Cristo. O Buddhacarita (Atos do Buda, um poema épico escrito em sânscrito por Asvaghosa) foi escrito em torno do segundo século depois de Cristo.

De qualquer forma, a fonte mais antiga vem de 300 a 400 anos após sua vida. Além do Buddhacarita, existem também o Lalitavistara Sūtra, Mahāvastu e o Nidānakathā que vêm em incrementos de 100 anos. Outras fontes incluem o Jātakas, o Mahapadana Sutta e o Achariyabhuta Sutta, que possuem relatos que podem ser anteriores às biografias, mas que ainda são tardios e não exaustivos para fornecer informações históricas sobre o Buda.

Dentro do contexto histórico, há mais segurança sobre o que sabemos a respeito de como os primeiros seguidores de Jesus pensavam sobre ele – visto o curto período entre os eventos de sua vida/morte/ressurreição – com os primeiros escritos sobre Ele.

Auto conceito

Buda insistiu que ele não era um ser divino, e que seu problema com a vida era o sofrimento das pessoas e dos animais. Ele ensinou que, a fim de eliminar o sofrimento da própria vida, era preciso deixar de lado o desejo e, por sua vez, viver uma vida de moderação e autocontrole. Assim, algum tempo depois quando alguém alcançasse um estado de felicidade e bem-aventurança (conhecido como Nirvana), não mais renasceria em uma vida de sofrimento.

Jesus, por outro lado, afirmou ser igual a Deus, e sua missão era vir e salvar a humanidade, fazendo-a se arrepender de seus pecados e se voltar para Ele como o único meio de salvação. Um aspecto importante de seu ministério era a ênfase do mal e a solução de Jesus é o arrependimento, amar a Deus e a outros seres humanos, assim como seguir os Dez Mandamentos, a Lei Moral.

Conceito sobre Deus

O Buda rejeitou a existência de Deus, ele disse que isso era irrelevante para a noção de sofrimento [2]. De acordo com um dos maiores estudiosos da filosofia budista, K. N. Jayatilleke, se por “Deus” queremos dizer um “Deus Criador” então:

Buda é um ateísta e o budismo nas suas formas Teravada e Mahayana são ateístas(…) Ao negar que o universo é um produto de um Deus pessoal, que o cria no tempo e planeja uma consumação no fim dos tempos, o budismo é uma forma de ateísmo. [3]

O Buda não fez nenhuma reivindicação de inspiração especial ou revelação de qualquer fonte divina. Por outro lado, Jesus era um monoteísta, aceitando o entendimento do Antigo Testamento como autoridade. Ele também reivindicou status igual ao único Deus verdadeiro (sendo parte da Trindade Divina), e convenceu muitos por meio de seu milagres, trabalhando sua autoridade através de seus ensinamentos e mais visivelmente em sua ressurreição dos mortos. Neste caso, Buda e Jesus são completamente diferentes.

Milagres

Os milagres de Jesus são múltiplos e independentemente atestados em escrituras. Além dos escritos bíblicos do Novo Testamento, o historiador judeu Flávio Josefo afirmou que Jesus era conhecido por suas maravilhas. Jesus era conhecido por ser um operário milagroso tanto por seguidores, quanto por seus inimigos e pessoas de aldeias circunvizinhas. Como um historiador proeminente do Novo Testamento comenta:

O que quer que você pense sobre a possibilidade filosófica dos milagres de cura, fica claro que Jesus tinha a reputação de ter realizado eles. [4]

Isso leva a sugerir que, por razões históricas (especialmente devido à extrema precocidade dos relatos) Jesus realmente era um milagreiro. A única negação possível é que Jesus teria sido uma fraude, como um gênio que conseguiu enganar milhares de pessoas, inclusive seus críticos que se tornaram seus seguidores, que sofreram e morreram por Ele.

No entanto, essa possibilidade de Jesus ser uma fraude pode ser descartada, pelas razões acima, e porque ele foi para a sua sangrenta e dolorosa morte por crucificação como resultado de sua auto-proclamação e ministério. Jesus, com grande certeza histórica, realmente realizou maravilhas de cura e exorcismos. Isso é indiscutível em termos históricos. Como explica o estudioso do Novo Testamento Marcus J. Borg:

Apesar da dificuldade que os milagres representam para a mente moderna, por motivos históricos, é praticamente indiscutível que Jesus era um curador e um exorcista. [5]

Como Buda era em relação aos milagres?

Buda uma vez respondeu a um pedido de milagre, dizendo:

Eu não gosto, eu os rejeito e os desprezo, e depois se recusou a cumprir o pedido. [6]

Mas, segundo o que se conta sobre ele, quando era um bebê, colocou seus pés numa flor de lótus e ela floresceu [7]. Em outro momento, ele teria executado um “milagre” duplo pelo qual ele produziu chamas na parte superior de seu corpo e correntes de água na parte inferior. Depois disso, deu três passos gigantescos e chegou a Tavatimsa (segundo céu na cosmologia budista, onde vivem os Devas, seres não-humanos com características divinas como: poderes, vida longa e felicidade extrema).

Quando estava lá, Buda pregou o Abhidarma (ensinamentos mais elevados) à sua mãe, que tinha renascido lá como um Deva chamado Santussita. Há também outros relatos milagrosos que supostamente aconteceram, como sua capacidade de se multiplicar em um milhão e depois voltar ao normal, ele também poderia viajar pelo espaço, poderia se tornar um gigante e, em seguida, ficar tão pequeno como uma formiga, entre outros.

No entanto, os “relatos milagrosos” que cercam Buda são desenvolvimentos tardios, portanto, muito provavelmente não históricos desde os primeiros textos budistas. O Pāli Canon (coleção mais antiga de escrituras sobre a tradição budista) aparece mais de 450 anos depois de sua morte, e esse intervalo de tempo permite enfeites não históricos no núcleo histórico da obra. Alguns dos milagres atribuídos a ele parecem, obviamente, mitológicos, como sua capacidade de mudar a forma para diferentes tamanhos, andar através das montanhas, usar a telepatia e visão divina.

Estes não parecem históricos ou em par de significância com atos de jesus. Eles parecem semelhantes aos enfeites mitológicos encontrados nos últimos textos gnósticos sobre Jesus criando pássaros do barro, amaldiçoando seus companheiros que morreram em seguida, etc.

Devido à sua precocidade, abundância e atestação múltipla, os milagres de Jesus nos relatos evangélicos superam aqueles atribuídos a Buda.

Resposta a previsão humana

Buda ensinou que para eliminar o sofrimento, deveríamos nos livrar de nossos desejos. No entanto, Jesus veio ao mundo para superar o abismo que o pecado causou entre Deus e o homem. Então, Buda ensinou uma filosofia e Jesus veio como nosso salvador (e trouxe uma filosofia mais duradoura). O apologista Ravi Zacharias, um indiano que se converteu ao cristianismo, compara o Deus da Bíblia ao Buda:

Não parece acidental que a noite em que Gautama Buda deixou seu palácio para buscar uma resposta à dor e sofrimento foi a própria noite que sua esposa estava dando à luz seu filho. Em sua busca para eliminar o sofrimento, ele realmente saiu e deixou sua esposa sozinha na agonia de sua dor. Contraste isso com o Deus da Bíblia, que entrou neste mundo na pessoa de Seu Filho para sofrer na cruz, abraçar a dor e o sofrimento por causa da humanidade. Buda afastou-se de seu filho e da dor. No cristianismo, Deus é parte integrante da solução. [8]

De acordo com Jesus, o problema intrínseco à humanidade é mais significativo do que apenas a supressão dos desejos, como o Buda ensinou. Para Jesus, é o pecado que está no centro da situação humana, particularmente porque o pecado é a rejeição deliberada dos caminhos justos de Deus.

Salvação ou Libertação

De acordo com a pedagogia do budismo primitivo, cada um é responsável por alcançar a própria libertação, porém tal coisa é antitética na visão de Jesus. De acordo com Jesus, não podemos nos salvar por causa da divisão que separa o homem de Deus. Buda pronunciou o darma, o verdadeiro ensinamento, que resulta em libertação, mas ainda cabe ao indivíduo agarrar a verdade para alcançar o nirvana. Como o estudioso do budismo Walpola comenta:

Se Buda deve ser chamado de “Salvador”, é somente no sentido de que ele descobriu e mostrou o caminho para a libertação [do sofrimento], isto é, o Nirvana. Mas temos de trilhar o caminho nós mesmos. [9]

De acordo com Jesus, estamos sem esperança e desamparados sem a sua expiação da morte na cruz e pela graça de Deus. Jesus foi um exclusivista em todas as fontes do evangelho, especialmente em sua alegação, como no evangelho de João, onde afirma ser o único caminho para Deus (14: 6), e igual a Deus (10:30). De acordo com a Bíblia, somente em Jesus podemos encontrar a salvação. Ou seja, não podemos trilhar o caminho sozinhos.

Volta a vida

Tanto Buda como Jesus morreram, Buda foi incinerado e Jesus foi sepultado. No entanto, o túmulo de Jesus foi encontrado vazio, e isso é afirmado pela maioria dos estudiosos:

De fato, em uma pesquisa bibliográfica de mais de 2.200 publicações sobre a ressurreição desde 1975, o pesquisador Gary Habermas descobriu que 75% dos estudiosos aceita a historicidade da descoberta do túmulo vazio de Jesus. [10]

Não há nenhum registro histórico confiável para Buda ou qualquer outro personagem sendo ressuscitado, ou aparecendo, depois de sua morte. Somente com relação a Jesus isso é evidentemente bem estabelecido desde o início do cristianismo, e foi um fato histórico para os discípulos mais próximos de Jesus.

Muitos eruditos afirmam que se a ressurreição de Jesus não tivesse acontecido, certamente não haveria cristianismo – e faz sentido, uma vez que sabemos pelo próprio relato bíblico do Novo Testamento que os discípulos estavam escondidos e com medo, incrédulos quanto a promessa de Cristo da ressurreição; mas quando este apareceu a eles, tudo mudou. Mesmo um historiador ateu admite que:

Pode ser tomado como historicamente certo que Pedro e os discípulos tiveram experiências após a morte de Jesus, nas quais Jesus apareceu para eles como o Cristo ressurreto. [11]

Para este fim, a ressurreição de Jesus o distingue de Buda e coloca a fé cristã em uma categoria diferente do budismo e de outras religiões orientais.

Conclusão

Realmente não há como comparar Jesus com Buda e vice-versa. Esse texto serviu para mostrar as diferenças entre eles como pessoas históricas e místicas, seus ideais, filosofias e suas importâncias para humanidade. Mesmo que em alguns momentos semelhantes paralelos morais possam aparecer (se ignorarmos o contexto teológico envolvido), o ministério e a ressurreição de Jesus o colocam numa categoria de Salvador, Senhor e Deus, enquanto Buda, na categoria de um estudioso da condição humana [12] em busca da libertação do sofrimento.

 

Referências

[1] Robert, W. 1961. “Tillich Encounters Japan” in Japanese Religions 2. p. 48–71.

[2] Nyanaponika, T. 1996. Buddhism and the God-idea. [disponível neste link]

[3] Jayatilleke, K. 1974. The Message of the Buddha. p. 105.

[4] Ehrman, B. 1999. Jesus: Apocalyptic Prophet of the New Millennium. p. 199.

[5] Borg, M. 1987. Jesus, A New Vision. p. 61.

[6] Walshe, M. 1995. The Long Discourses of the Buddha.

[7] Buddhist Studies. 2008. The Life of the Buddha: The Birth of the Prince. [disponível neste link]

[8] Zacharias, R. 2014. Why Suffering? p. 131.

[9] Walpola, R. 1959. What the Buddha Taught.

[10] Craig, W. 2013. Accounting for the Empty Tomb. [disponível neste link]

[11] Ludemann, G. 1995. What Really Happened? p. 80.

[12] Buddhism – Major Differences [disponível neste link]

Traduzido e adaptado de James Bishop’s  Theology & Apologetics – 8 Differences Between the Buddha and Jesus [disponível neste link]

Imagem fonte: Papirova


Compartilhe

5 Comentários em "Jesus e Buda – semelhanças ou diferenças?"

Não comentarei, mas:
avatar
Ordenar por:   mais novo | mais antigo | mais votado
Luciferiano
Visitante
Leo
Visitante

Sou cristão, mas esse texto serviu para inferiorizar o budismo, ficou bem evidente isso, apesar do tom conciliador e supostamente histórico.
Um cristão, pela própria fé, não precisa de provas históricas e científicas. Eu tenho fé no meu Deus, e Cristo, quer historiadores afirmem ou não.

Cora
Visitante

Acho que o autor foi infeliz ao comparar alguns aspectos deixando de aprofundar nos ensinamentos. Jesus disse qualquer um de vós fará coisas maiores… Ele se identifica como parte da Natureza Primordial assim como os demais. Jesus ensinou o desapego, a simplicidade… ele meditava, há muitas semalhanças. Ademais, qualquer texto cristão deveria pontuar sem criticar. Não me agradou.

Luciferiano
Visitante

Me desculpem, mas o texto é mui coeso e congruente com os fatos. Os argumentos nos comentários não correspondem.
Não caiamos na cilada do “politicamente correto”, ao analizarmos esses textos, nessas horas que temos que ter o senso crítico mais apurado. Buda foi relevante, mas para por aí. Enquanto o Messias nos resgatou do pecado e da morte com seu sangue.

kleber amorim de souza
Visitante

GRANDE ESTUDO, AINDA NÃO LI TUDO, SÓ OS PONTOS PRINCIPAIS, MAS POSSO AFIRMAR É MUITO CONSTRUTIVO

wpDiscuz