O véu se rasgou e um novo povo surgiu

Portanto, lembrai-vos que, OUTRORA, vós, gentios na carne… estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo. Mas, AGORA, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo. Efésios 2.11-13


JUDEU: Aquele que descende de Abraão, que pertence ao povo de Israel. (veja também: Qual a diferença entre Hebreu, Israelita e Judeu?)

GENTIO: Quem não é judeu; todos que não pertencem ao povo de Israel.chart

I. Quem éramos outrora (Ef 2.11-12)

Os gentios eram objeto de desprezo dos judeus (v.11).

Os judeus se achavam o único povo de Deus, por causa da circuncisão.Porém, o apóstolo Paulo os chama de circuncisos na carne, por mãos humanas (v.11).

Mas tanto judeus como gentios podem gozar da circuncisão espiritual, do coração.

Os gentios estavam espiritualmente alienados (v.12). Estavam sem Cristo e também separados da comunidade de Israel. Não tinham esperança, nem Deus.

E nós? Quem éramos antes da cruz de Cristo? Qual era a nossa condição?

II. O que Jesus fez (Ef 2.13-18)

O que Cristo fez para aproximar os gentios de Si e para reconciliá-los com os judeus?

Jesus aboliu a lei dos mandamentos (versículo 15)

Cristo os desobrigou da lei como caminho de salvação e instituiu a graça.

Que leis eram essas?

Os judeus possuem leis que são consideradas leis cerimoniais, e segundo a tradição, elas complementariam as 10 leis morais que são os 10 mandamentos dados por Deus a Moisés e ao Seu povo Israel.

Halachá (em hebraico הלכה) é o nome do conjunto de leis judaicas, são 613 mandamentos que constam na Torá (os cinco livros de Moisés). Os 613 mandamentos ou 613 mitzvot (do hebraico תרי”ג מצוות ou Taryag mitzvot sendo TaRYaG um acrônimo do valor numérico “613”).

De uma forma geral, a expressão “A Lei de Moisés” (em hebraico Torat Moshé תורת משה) também é utilizada em referência ao corpo legal judaico. Estes 613 mandamentos estão divididos em:

Mandamentos positivos (mitzvot assê): mandamentos do tipo “faça!”, obrigações. São 248 mandamentos positivos, relacionados ao número de ossos ou órgãos importantes no corpo humano, isto é, como se cada membro dissesse à pessoa: “Cumpra um preceito comigo“.

Alguns exemplos dos 248 “Mandamentos Positivos”:

01º – Saber que existe um Deus;
14º – Amar convertidos;
38º – Não deixar de odiar o idólatra;
200º – Amar ao Estrangeiro.

Mandamentos negativos (mitzvot ló taassê): mandamentos do tipo “não faça!”, proibições. Existem 365 mandamentos negativos, correspondendo ao número de dias no ano solar, que é como se cada dia dissesse à pessoa “Não cometa uma transgressão hoje“.

Alguns exemplos dos 365 “Mandamentos Negativos”:

01º – Crer ou atribuir algo à deidades e não a Ele;
40º – Homem usar roupas e adornos femininos;
88º – Rasgar as beiradas da túnica do Sumo sacerdote;
302º – Odiar um ao outro.

Jesus criou uma nova humanidade (Ef. 2:15)

Em Cristo, judeus e gentios compartilham a mesma nova vida, a mesma liberdade, a mesma salvação. Jesus reconciliou os judeus e os gentios com Deus (v.16-18).

A paz foi estabelecida por Cristo na cruz, reconciliando judeus com gentios e pecadores com Deus.

III. Quem somos agora (Ef. 2:19-22)

Crentes judeus e crentes gentios gozam dos mesmos benefícios, privilégios e responsabilidades em Cristo. Do versículo 19 ao 22 são registradas algumas conclusões do apóstolo Paulo, todas elas dizem respeito à consequente confraternização que agora deve existir entre os crentes judeus e os crentes gentios. A ênfase, porém, é que os gentios foram colocados no mesmo plano dos judeus quanto aos benefícios e privilégios oferecidos pelo evangelho. Esse fato é apresentado por meio de três imagens: a nação, a família e o templo.

Nação de Deus (versículo 19): Em Cristo, gentios e judeus passaram a fazer parte do povo de Deus, concidadãos do Seu reino, o Israel de Deus;

Família de Deus (versículo 19): Em Cristo, judeus e gentios tornaram-se irmãos, filhos de Deus Pai;

Templo de Deus (versículo 20-22): Em Cristo, judeus e gentios estão sendo edificados para a habitação de Deus, porém este edifício não está completo, mas está crescendo para ser santuário dedicado ao Senhor, pois no céu seremos definitivamente completados.

Conclusão

“Pergunto a mim mesmo se há alguma coisa mais urgente hoje, para a honra de Cristo e para a propagação do evangelho, do que isto: A Igreja… ser vista como tal: uma nova humanidade, um modelo de comunidade humana, uma família de irmãos e irmãs reconciliados que amam ao seu Pai e se amam uns aos outros, a habitação evidente de Deus pelo seu Espírito. Somente então o mundo crerá em Cristo como Pacificador. “(John Stott,comentarista e escatologista bíblico)

Será que temos refletido, como Igreja, essa nova essência de novo povo adquirida em Cristo? De que maneira nossa igreja tem testemunhado essa essência à comunidade descrente?

 

Referências: 

Estudos Cartas de Paulo 1ª edição, 2010, pag. 29

Imagem fonte: Reprodução Google

Avalie este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *