Ideologia de Gênero causa efeitos nocivos na saúde de crianças e adolescentes, afirma Colegiado Americano de Pediatria

No Brasil, muito se fala sobre a “necessidade” de abordar a ideologia de gênero na grade curricular das escolas infantis.

Aqueles que apoiam essa visão afirmam que essa seria a melhor maneira da criança crescer sem preconceitos à “diversidade” de gênero. Será?

chart

Nessa empreitada, além dos movimentos LGBT, alguns movimentos sociais, partidos políticos (princialmente de esquerda), pessoas famosas, etc… que são pró-diversidade de gênero, tem tentado propor leis e regras para chegar a seu propósito, embora muitas vezes essas propostas sejam igualmente repressivas aos seus contrários.

Infelizmente, parte desses grupos pró-ideologia de gênero usam meios inapropriados para atingir suas metas de “alfabetização na ideologia de gênero”. Em vários casos já noticiados pela mídia em geral, livros, cartilhas e vídeos com conteúdo sexual e subliminar LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) tem sido distribuídos nas escolas infantis sem autorização do governo ou dos pais das crianças, o que já causou muita revolta em boa parcela da sociedade mais tradicional. Além disso, o próprio MEC tem distribuído livros que tratam do tema em muitas escolas públicas, mesmo sem a consulta pública ou inserção na grade curricular padrão autorizada. Exemplo neste link!

Nos Estados Unidos a situação é muito parecida com a do Brasil quanto ao “Lobby LGBT”, porém, lá a população já é mais “liberal” quanto ao assunto da diversidade de gênero. Porém, uma nota do Colegiado Americano de Pediatria mostra a preocupação dos médicos quanto a extrapolação dessa ideologia sobre as questões de saúde e conduta das crianças. Como geralmente nós brasileiros aprendemos com os americanos sobre questões médicas e de socialização, talvez essa nota seja um alerta para o que vem pela frente no Brasil, se não tratarmos esse tema com o devido cuidado que merece, principalmente porque os mais atingidos serão inevitavelmente as nossas crianças.

O Colegiado Americano de Pediatria insta educadores e legisladores de rejeitar todas as políticas que condicionam as crianças a aceitar como normal uma vida de representação química e cirúrgica do sexo oposto. Fatos – não ideologia – determinam a realidade.”

 Esta é a nota, separada em 8 itens:

1 – A sexualidade humana é uma característica biológica binária objetiva: “XY” e “XX”, são marcadores genéticos de saúde – não marcadores genéticos de uma doença

A norma para o projeto humano deve ser concebida como macho ou fêmea. A sexualidade humana é binária por projeto com a finalidade óbvia da reprodução e o desenvolvimento de nossa espécie. Este princípio é auto-evidente. Os distúrbios extremamente raros de desenvolvimento sexual (DSDS), incluindo, mas não limitado a feminização testicular e hiperplasia adrenal congênita, são todos desvios medicamente identificáveis da norma binária sexual, e são justamente reconhecidos como distúrbios do projeto humano. Indivíduos com DSDs não constituem um terceiro sexo. [1]

2 – Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. Gênero (uma consciência e senso de si mesmo como homem ou mulher) é um conceito sociológico e psicológico; não um conceito objetivo biológico

Ninguém nasce com a consciência de si mesmo como masculino ou feminino; esta consciência se desenvolve ao longo do tempo e, como todos os processos de desenvolvimento, pode ser prejudicada pelas percepções subjetivas da criança, relações e experiências adversas da infância em diante. As pessoas que se identificam como “sentindo-se como o sexo oposto” ou “em algum lugar entre” não compreendem um terceiro sexo. Eles permanecem biologicamente homens ou biologicamente mulheres. [2, 3, 4]

3 – A crença de uma pessoa que ele ou ela é algo que eles não são é, na melhor das hipóteses, um sinal de pensamento confuso

Quando um menino biologicamente saudável acredita que ele é uma menina ou uma menina biologicamente saudável acredita que ela é um menino, um problema psicológico objetivo existe e está na mente e não no corpo, portanto deve ser tratado como tal. Estas crianças sofrem de disforia de gênero. Disforia de gênero (DG), anteriormente listada como Transtorno de Identidade de Gênero (GID), é um transtorno mental reconhecido na mais recente edição do Manual Diagnóstico e Estatístico da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-V).[5] As teorias de aprendizagem psicodinâmicos e sociais de GD / GID nunca foram refutadas.[2, 4, 5]

4 – A puberdade não é uma doença e hormônios de bloqueio de puberdade podem ser perigosos

Reversíveis ou não, hormônios de bloqueio de puberdade induzem a um estado de doença – e inibem o crescimento e fertilidade em uma criança previamente saudável, que é a ausência de puberdade.[6]

5 – A aceitação do sexo biológico vem após passar pela puberdade

De acordo com o DSM-V, cerca de 98% de meninos com confusão de gênero e 88% de meninas com confusão de gênero eventualmente aceitam o seu sexo biológico após naturalmente passar pela puberdade.[5]

6 – Crianças que usam bloqueadores de puberdade para representar o sexo oposto exigirão hormônios “cross-sex” na adolescência tardia

Hormônios sexuais “cross-sex” (testosterona e estrogênio) estão associados com riscos perigosos para a saúde, incluindo mas não se limitando a pressão arterial elevada, a formação de coágulos sanguíneos, acidente vascular cerebral e câncer.[7, 8, 9, 10]

7 – As taxas de suicídio são 20 vezes maiores entre os adultos que usam hormônios do sexo oposto e se submetem à cirurgia de mudança de sexo, mesmo na Suécia, que é considerado um dos países mais amigáveis às questões LGBT [11]

Que pessoa compassiva e razoável condenaria as crianças a este mesmo destino sabendo que após a puberdade, um montante de cerca de 88% das meninas e 98% dos meninos acabará por aceitar a realidade ao alcançar um estado de saúde física e mental?

– Leia depois: País mais ateu do mundo teve aumento de 1.000% no uso de antidepressivos

8 – Condicionar crianças a acreditar que uma vida inteira de representação química e cirúrgica do sexo oposto é normal e saudável é abuso infantil

Endossando discordância de gênero como normal através da educação pública e políticas legais irá confundir as crianças e os pais, levando mais crianças a procurar ajuda em “clínicas de gênero”, onde serão dados medicamentos bloqueadores de puberdade. Estes, por sua vez, praticamente garantirão que eles vão “escolher” uma vida de hormônios do sexo oposto (cancerígenos e tóxicos), e provavelmente, quando já estiverem jovens adultos, considerarão a mutilação cirúrgica de ‘partes saudáveis do seu corpo’ vistas como desnecessárias (exemplo: remoção ou transformação de pênis, vagina, seios, etc).

Assinaram:

Michelle A. Cretella, M.D.
Presidente do Colegiado Americano de Pediatria

Quentin Van Meter, M.D.
Vice-Presidente do Conselho Americano de Pediatria
Pediatra endocrinologista

Paul McHugh, M.D.
Professor da Universidade de Serviços Distintos de Psiquiatria na Universidade Johns Hopkins Medical School e ex-psiquiatra-chefe da Johns Hopkins Hospital

Referências:

[1] Consórcio sobre o tratamento de distúrbios do desenvolvimento sexual, Sociedade Intersexo da América do Norte, 25 de março de 2006. Acessado 3/20/16 a partir http “diretrizes clínicas para o tratamento de distúrbios do desenvolvimento sexual na infância.”: www.dsdguidelines.org/files/clinical.pdf

[2] Zucker, Kenneth J. Bradley e Susan J. “identidade de gênero e Transtorno psicossexual.” FOCUS: The Journal of Lifelong Learning em Psiquiatria. Vol. III, No. 4, Fall 2005 (598-617).

[3] Whitehead, Neil W. “É a transexualidade biologicamente determinado?” Triple Helix (UK), Outono de 2000, p6-8. acessada 3/20/16 de http://www.mygenes.co.nz/transsexuality.htm; ver também Whitehead, Neil W. “Estudos de Gêmeos dos transexuais [Revela discordância]” www.mygenes.co.nz/transs_stats.htm

[4] Jeffreys, Sheila. Sexo fere: Uma análise feminista da política de Transgenderismo. Routledge, New York, 2014 (pp.1-35).

[5] Associação Psiquiátrica Americana: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Fifth Edition, Arlington, VA, American Psychiatric Association, 2013 (451-459). Consulte a página 455 RE: taxas de persistência de disforia de gênero.

[6] Hembree, WC, et al. Tratamento endócrino de pessoas transexuais: a Sociedade de Endocrinologia prática clínica orientação. J Clin Endocrinol Metab. 2009; 94: 3.132-3.154.

[7] Olson-Kennedy, J e Forcier, M. “Visão geral do gerenciamento de não-conformidade de gênero em crianças e adolescentes.” UpToDate 4 de novembro de 2015. www.uptodate.com

[8] Moore, E., Wisniewski, & Dobs, A. “Tratamento endócrino das pessoas transexuais:. Uma revisão dos regimes de tratamento, resultados e efeitos adversos” The Journal of Endocrinology & Metabolism, 2003; 88 (9), pp3467-3473.

[9] FDA Comunicação Drug Safety emitidos para os produtos de testosterona: www.fda.gov/Drugs/DrugSafety/PostmarketDrugSafetyInformationforPatientsandProviders/ucm161874.htm

[10] Organização Mundial de Saúde Classificação de estrogênio como Classe I cancerígena: www.who.int/reproductivehealth/topics/ageing/cocs_hrt_statement.pdf

[11] Dhejne, C, et.al. “Long-Term Follow-Up de Cirurgia Travestis pessoas submetidas a redesignação sexual:. Cohort Study na Suécia” PLoS ONE, 2011; 6 (2). Instituição: Departamento de Neurociência Clínica, Divisão de Psiquiatria, Instituto Karolinska, de Estocolmo, Suécia. http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0016885

Ideologia de Gênero causa efeitos nocivos na saúde de crianças e adolescentes, afirma Colegiado Americano de Pediatria
1 votos até agora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *