Qual a diferença entre Hebreu, Israelita e Judeu?

Muitas pessoas, principalmente do ocidente, ainda se confundem sobre a diferença entre os termos: hebreu, israelita e judeu. Vamos entender de forma resumida a origem e significado dos nomes e também um pouco da história por trás desse povo ao qual estes três nomes se referem.chart

Hebreu  (עברי, em hebraico)

A primeira vez nos livros de Moisés (Torá, para os judeus; Pentateuco, para os cristãos) em que o termo “hebreu” aparece é no livro de Gênesis 14:13, referindo-se, exatamente, ao pai deste povo, Abraão:

Então veio um, que escapara, e o contou a Abrão, o hebreu; ele habitava junto dos carvalhais de Manre, o amorreu, irmão de Escol, e irmão de Aner; eles eram confederados de Abrão.

Embora a tradição judaica ofereça pelo menos duas correntes para explicar o nome, vamos considerar aquela que é mais aceita pela maioria dos teólogos. Ela se refere aos descendentes de Héber (עֵבֶר em hebraico). O capítulo 10 de Gênesis fala dos descendentes de Noé e das nações que se formaram a partir deles. Noé teve três filhos: Sem, Cam e Jafé, além de outros mais que nasceram depois do dilúvio. Héber foi um dos trisnetos de Sem, filho de Noé.

O nome de Héber é importante porque, segundo a tradição judaica, foi graças a ele que a língua que eles falam foi preservada por Deus. Segundo a tradição judaica, Héber teria se recusado a participar da construção da Torre de Babel e, portanto, o idioma hebraico foi preservado e recebeu este nome em homenagem a Héber, e desta forma, deu também nome ao povo que falava Hebraico, o povo Hebreu.

Algumas pessoas tem dificuldade em entender Gênesis 10:5, 10:20 e 10:31, pois estes versículos parecem trazer uma contradição ao citarem povos com suas próprias línguas antes do capítulo 11, que é capítulo que informa que só havia uma língua na Terra, sendo que é neste mesmo capítulo que é descrito como e porque houve a divisão das línguas. A resposta é que a narração não é cronológica, mas sim tópica, como se fosse um adendo, ou uma observação do autor. Para sustentar isso, podemos ler Gênesis 10:25, que apresenta um dos filhos de Héber: Pelegue. Héber teve dois filhos: um foi Pelegue, porquanto em seus dias se repartiu a terra; e o outro foi Joctã. (Gênesis 10:25)

Existe um motivo para Pelegue ter este nome. Pelegue (פלג, em hebraico) significa separar, dividir. Assim, é muito provável que ele tenha recebido este nome em relação ao ato da criação das várias línguas no evento da Torre de Babel, que dividiu completamente o mundo em grupos linguísticos específicos.

Vale salientar ainda que existem indícios extra-bíblicos, como por exemplo – as tábuas sumérias – que relatam a existência de apenas uma língua universal no mundo antigo.

– Assim, podemos dizer que “hebreu”, da perspectiva etimológica, provem de Héber. No que diz respeito ao grupo de pessoas, podemos dizer que “hebreu” é o povo que descende de Sem, filho de Noé. Ou seja, é o povo semita. Por isso, que atualmente vemos o uso de antissemitismo como uma postura contrária ao povo judeu.

Israelita (ישׁראל, em hebraico)

O termo “israelita” é a versão em português do termo “filhos de Israel” (Bnei Yisrael), que aparece várias vezes na Bíblia (são 608 vezes em traduções como a Almeida). Assim, a melhor maneira de entender o significado de israelita é procurar o significado de Israel.

O nome “Israel”, que no hebraico significa “lutar com Deus”, foi atribuído a Jacó:

E disse-lhe Deus: O teu nome é Jacó; não te chamarás mais Jacó, mas Israel será o teu nome. E chamou-lhe Israel. (Gênesis 35:10)

Quem foi Jacó?

De acordo com a Tanakh (escrituras judaicas) e o Corão (escrituras islâmicas), Isaac foi o único filho de Abraão com Sara. Isaac, por sua vez, teve dois filhos com Rebeca, sendo Jacó e Esau. Enquanto a descendência de Esau formou os Edomitas, a descendência de Jacó gerou os israelitas (Lembrando que Jacó teve o nome mudado para Israel).

– Assim, Israelita é o povo descendente de Jacó. Jacó, juntamente com seu pai (Isaac) e avô (Abraão), são considerados os patriarcas dos filhos de Israel, os israelitas. O próprio Deus confirma isso, anos depois, a Moisés:

Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. (Êxodo 3:6a)

Jacó teve 12 filhos com 4 mulheres diferentes (Gênesis 49), além de uma filha (Gênesis 30:21), e teve 70 descendentes diretos (Êxodo 1:5).

Judeu (יְהוּדִי em hebraico)

Para entender o significado do termo “judeu“, temos que primeiro entender que dos 12 filhos de Jacó surgiram as 12 tribos de Israel. Abaixo está um mapa com as doze tribos de Israel por volta do ano 1.100 a.C, conforme nos informa o livro de Josué:

12_Tribes_of_Israel_Map-pt.svg_

Pode-se notar que uma dessas tribos é a de Judá. O termo “judeu” está ligado ao nome Judá, mas não quer dizer que ele se refira apenas ao povo desta tribo. O termo “judeu” se refere ao povo de todas as 12 tribos. Vamos ver o porquê disso.

Conforme vemos no livro de Ester, esta tribo foi predominante durante o período que antecedeu o retorno daquele povo à terra prometida, assim como durante os primeiros anos deste retorno, conforme os livros de Esdras e Neemias.

– O fato que justifica o uso generalizado do termo judeu é que havia a predominância da tribo de Judá neste período, assim todo o povo das doze tribos passou a ser chamado de judeu.

Embora as primeiras aparições no nome “judeu” em muitas traduções das Escrituras só se deem no livro de 2ªReis 16:6 e 2ªReis 25:25, no hebraico a tradução mais adequada seria “homens de Judá”. Apenas nos livros de Esdras, Neemias e Ester é que podemos dizer que há efetivamente a utilização deste termo no sentido de povo das doze tribos.

Conclusão

Agora, fica entendido que Hebreu originou-se de Héber; que Israelita originou-se de Jacó; e que Judeu originou-se da tribo de Judá. Todos esses termos têm o mesmo objetivo: referir-se ao povo escolhido por Deus, embora em épocas diferentes.

 

Referências:

Defense of Faith; Cleofas

Qual a diferença entre Hebreu, Israelita e Judeu?
42 votos até agora

13 comentários em “Qual a diferença entre Hebreu, Israelita e Judeu?

  • 11 de julho de 2016 em 4:32 PM
    Permalink

    Parabéns pelo estudo. Muito sucinto e bem colocado.

    Resposta
  • 29 de julho de 2016 em 3:11 PM
    Permalink

    Excelente postagem viu!

    Não posso deixar de apresentar o meu parecer, mas por favor me responda.
    Se existe algo que me convence nesse assunto e que você mostrou convergencia com o que eu penso é isso: antes da torre de Babel, não existia essa nomeação de povos: arameu, caldeu, hebreu dentre outros. Isso não existia antes da confusão da torre, pois.
    Eu penso que a partir da confusão de idiomas, familias foram separadas uma das outras cuja lingua identificava cada família; se o idioma adamico foi preservado em Héber, sua mulher e filhos (familia), passaram a identificar a família deste como aqueles que falam o idioma de Héber o idioma hebreu, por ser Héber o chefe desta família. Do mesmo jeito aconteceu com Aram e sua família, O Altíssimo deu-lhe um novo idioma, o aramaico. A Mizraim (Egito) do mesmo jeito, assim como todas as famílias que se formaram para construir a torre.

    O que me admira é como a humanidade conseguiu se comunicar de novo, entedendo um o idioma do outro. E nessa mistura de idiomas, sem a intervenção superior, a humanidade foi criando novos idiomas como o latim misturado a idiomas bárbaros gerou o português, espanhol, italiano e etc; sem necessitar de uma nova torre de Babel pra isso.

    Agradeço a atenção

    Resposta
    • 29 de julho de 2016 em 9:06 PM
      Permalink

      Olá Gustavo, tudo bem? Desculpe pela demora em responder, é que precisamos ler todos os comentários que aparecem em todos os artigos, daí demoramos um pouco.

      Então, como dito no artigo, a explicação dada é a mais aceita entre os estudiosos bíblicos, sejam cristãos ou judeus. A origem mesmo de tudo se deve à Héber, que teria se recusado a participar da construção da Torre de Babel e, portanto, o idioma hebraico foi preservado e recebeu este nome em homenagem a ele. Isso dá a entender que o idioma hebraico era o idioma universal.
      Nas tábuas sumérias já consta outro idioma, o correspondente à este povo sumério. Muito provavelmente tudo relativo ao primeiro idioma foi perdido após a confusão de Babel.

      *** Como exemplo: pense que num grupo de 1.000 pessoas que deveriam ter algum conhecimento em escrita/leitura, e todos eles falavam o mesmo idioma, por exemplo, o hebreu… Se o idioma desse grupo fosse confundido de modo que esses mil não pudessem mais entender a escrita/leitura, o que aconteceria? Eu creio que eles deveriam voltar a estaca zero, começar a aprender a escrita (de acordo com sua própria língua), o que deixaria toda aquela escrita antiga já formalizada jogada ao vento.
      Agora, se apenas um único grupo de pessoas mantivesse o idioma original, porém este grupo ainda não tivesse desenvolvido a escrita/leitura e só desenvolvesse elas séculos depois, em outra região do planeta… Entende? Por isso é tão difícil ter algo daquela época. Talvez esse fosse o plano de Deus.

      Sobre essa questão que você levantou, de que a humanidade conseguiu se comunicar de novo… Depende, quanto tempo isso demorou? Deus nos fez com altíssimo intelecto, sabendo Ele que um dia seríamos capazes de desenvolver novas ferramentas para nos comunicar… porém, não digo que a comunicação não ocorria nos tempos antigos dentre pessoas de idiomas diferentes. O que eu creio que Deus fez foi dificultar o entendimento, por exemplo, para que as pessoas não fizessem em conjunto algo que poderia novamente ser um afronta contra Ele, para que Ele não precisasse julgá-los por isso.

      Ademais, tudo que é relativa a tempos muito remotos, são de certa forma, especulativa. O que temos na maioria das vezes são obras que relatam episódios que já teriam ocorrido há muito tempo. A tradição oral foi por muito tempo a mais confiável, depois veio a escrita. Entre essas duas, pode ser que muita coisa se perdeu. O que temos são aquilo que nos explicam como isso ou aquilo ocorreu.

      Obrigado por entrar em contato. Deus te abençoe!
      Grande abraço.

      Resposta
  • 3 de setembro de 2016 em 12:13 AM
    Permalink

    Ainda exitem hebreus?
    Onde eles moram?

    Resposta
    • 3 de setembro de 2016 em 12:45 AM
      Permalink

      Olá Stella, tudo bem?
      Está explicado no final do artigo, veja: “Agora, fica entendido que Hebreu originou-se de Héber; que Israelita originou-se de Jacó; e que Judeu originou-se da tribo de Judá. Todos esses termos têm o mesmo objetivo: referir-se ao povo escolhido por Deus, embora em épocas diferentes.”

      Ou seja, os hebreus nada mais são que os israelitas atualmente, sendo que o termo judeu hoje é mais usado para se referir as pessoas que mantém-se religiosos, no judaísmo.

      Abraços. Deus abençoe!

      Resposta
  • 4 de setembro de 2016 em 6:22 PM
    Permalink

    Agora faz sentido, parabéns e obrigado.
    abraços

    Resposta
    • 4 de setembro de 2016 em 7:04 PM
      Permalink

      Que bom que esclareceu querido, Deus te abençoe.
      Cadastre-se no site para receber nossas atualizações. Grande abraço.

      Resposta
  • 13 de outubro de 2016 em 10:59 PM
    Permalink

    Sou judeu convertido e a cada dia me surpreendo mais e mais com esse tipo de informação.
    Muito obrigado pelos esclarecimentos dos fatos.

    Resposta
  • 17 de outubro de 2016 em 12:52 AM
    Permalink

    Talvez a questão de Pelegue e separação possa ter sido de separação de porções de terra e não de separação de povos ou nações.

    Resposta
  • 18 de novembro de 2016 em 10:15 AM
    Permalink

    O termo judeu se tornou generalizado após a divisão de Israel do norte com a tribo de Judá. Quando a Assíria tomou o reino do norte, as outras tribos se espalharam. E as unicas que ficaram preservadas foram a de Judá (daí o termo para Judéia) que era predominante e a tribo de Benjamim, que era a minoritária. Mas desta tribo surgiu o apóstolo Paulo. Mostrando que a misericórdia do Altíssimo não tem fronteiras.

    Resposta
    • 9 de dezembro de 2016 em 4:14 PM
      Permalink

      Boa tarde, preciso conhecer a fundo toda origem e aspectos dos negros meu nome. Gilmar Ferreira Cardoso .

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *